Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Onde anda o amor ou o medo é mais forte? Casais LGBT não andam de mãos dadas na rua

QUESTIONÁRIO DA DEZANOVE - ILUSTRAÇÃO DE RAQUEL SANTOS

O principal site de notícias LGBT levou a cabo um inquérito que pretendia ficar a saber mais sobre os hábitos de afecto das pessoas LGBT em Portugal.

Inspirados pelas reacções ao vídeo Reaction to Gay Couple in Portugal - Social Experience protagonizado por Lorenzo e Pedro em Lisboa, quisemos saber como que vivem os Portugueses nas ruas os seus afectos.

Durante um mês e meio recolhemos os votos através de um inquérito online. As respostas foram as seguintes:

A maioria dos Portugueses não anda de mãos dadas na rua com quem ama. 28,37 por cento dos inquiridos não vê necessidade de andar de mão dada publicamente com o seu/a sua companheiro/a. Já uma em cada cinco pessoas (22,12 por cento) não anda de mãos dadas porque tem medo da discriminação de que pode ser alvo apenas por segurar a mão do parceiro do mesmo sexo.

Apenas 19,23 por cento considera natural andar de mãos dadas em espaços públicos. Por seu turno, 25,16 por cento dos leitores escolhe previamente os locais onde decide andar de mãos dadas. E cerca de 5 por cento não especifica uma resposta concreta.

Em suma, metade dos leitores nunca anda de mãos dadas na rua com a pessoa que ama. A outra metade dos leitores divide-se entre aqueles que escolhem o local para exibirem este acto público de afecto e os que o fazem, sempre, independentemente dos locais.

A título de exemplo teórico: Se resumíssemos a amostra a dez pessoas, apenas uma poderia sair à rua de mão dada com o marido ou esposa. A pergunta que se coloca é: essa pessoa andaria com quem? Dado que as restantes nove pessoas colocam objecções ou não vêem tal como uma necessidade nos dias que correm. 

O inquérito decorreu de 28 de Agosto a 13 de Outubro. Votaram 624 leitores.

 

Ilustração de Raquel Santos https://www.facebook.com/RaquelS.Artwork/

 

Paulo Monteiro

1 comentário

Comentar