Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Os Globos de Ouro este ano foram Trans (com vídeos)

transparent.jpg

Este Domingo, 11 de Janeiro, já madrugada de 12 em Portugal, foram entregues mais uns Globos de Ouro. A 72ª edição teve mais que Amal Alamuddin e George Clooney, que recebeu Prémio Cecil B. DeMille, que premeia a carreira. Falou-se da tragédia em França, do Charlie Hebdo, da Marcha pela Liberdade de Imprensa e do ataque informático à Sony, que, curiosamente, em tempos foi acusada de ‘comprar’ nomeações nos Globos de Ouro. Nos prémios atribuídos pela Associação de Imprensa Estrangeira em Hollywood (HFPA, The Hollywood Foreign Press Association) houve surpresas e das boas.

Vamos ao que nos interessa. O Globo de Ouro de Melhor Actriz Principal (Série TV Musical/Comédia) atribuído a Gina Rodriguez pela série “Jane the Virgin”, que é baseada numa telenovela venezuelana, “Juana la Virgen” (2002), surpreendeu meio mundo. A versão americana inclui um curioso romance entre uma enteada e uma madrasta (tudo gente adulta e que já sabe o que anda a fazer). Gina Rodriguez deixou de fora a favorita, Taylor Schilling, que protagonizaOrange is the New Black”.

À oitava nomeação, Kevin Spacey lá venceu o Globo de Ouro para Melhor Actor Principal (Série TV Drama) pelo seu desempenho em “House of Cards”. O actor ainda não se livrou das suspeitas de que é homossexual e sempre viu o seu nome associado a listas de actores gays, respondendo por diversas vezes em entrevistas que não o é. Durante muitos anos fez-se acompanhar da namorada às cerimónias de prémios. Não obstante, o seu personagem na série “House of Card” Francis Underwood protagonizou com a mulher Claire (Robin Wright) uma já famosa cena de sexo a três.

A nomeação de Matt Bomer para Melhor Actor Secundário (Série/Telefilme/Minissérie TV) pelo seu papel em “The Normal Heart” também era aguardada com alguma expectativa. O actor acabou por levar o troféu e aproveitou para agradecer ao marido e aos três filhos.

Com apenas duas nomeações, a série “Transparent” chegou viu e venceu, levando para casa o prémio de Melhor Série TV (Musical/Comédia) e o de Melhor Actor Principal (Série TV Musical/Comédia) para Jeffrey Tambor, que na série interpreta Maura Pfefferman, uma mulher que está em processo de mudança de sexo (de masculino para feminino), pai de três filhos adultos que poderão não aceitar assim tão bem esta mudança nas suas vidas.

No discurso de agradecimento, Tambor dedicou o prémio à comunidade transgender: “Obrigado pela vossa coragem. Obrigado pela vossa inspiração. Obrigado pela vossa paciência. E obrigado por nos deixarem fazer parte da mudança.”

Jill Soloway, criadora da série, no discurso de agradecimento dedicou o prémio a Leelah Alcorn, uma jovem adolescente americana que pôs termo à vida em Dezembro de 2014 por os pais não aceitarem, e às muitas pessoas trans que morrem demasiado novas. Soloway aproveitou também para dedicar o prémio ao seu pai trans, Mappa: “Queria agradecer pelo teu coming out, porque ao fazê-lo libertaste-te, contaste a tua verdade, ensinaste-me a dizer a minha verdade e a fazer esta série. E talvez sejamos capazes de ensinar ao mundo algo sobre a autenticidade, a verdade e o amor.”

A lista completa dos vencedores pode ser consultada aqui.

 

Luís Veríssimo