Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Portuguesa vítima de ataque lesbofóbico em Londres

Helena Martins - imagem do Facebook

Helena Martins, de 43 anos, ia a caminhar na rua esta quinta-feira à noite quando foi atacada por um jovem na casa dos 20 anos. Helena levava uma gravata posta e foi com ela que o jovem a tentou estrangular. Helena, que padece de surdez, levou ainda vários socos, ficando com arranhões na cara e com um olho pisado.

Helena estava prestes a chegar a casa na zona de Tooting (Sul de Londres) quando decidiu retirar o aparelho auditivo que a auxilia. Quando se cruzou com um jovem, este terá percepcionado o uso de gravata como um sinal da sua homossexualidade e decidiu atacá-la levando o implante auditivo a cair no chão. Helena, que é praticante de  taekwondo, defendeu-se e pontapeou-o, o que terá levado a mais violência até que o agressor acabou por fugir. Helena conseguiu recuperar o auxiliar auditivo e regressar a casa onde vive com a sua mulher há três anos.

helenamartin3.jpg

Ainda abalada com o episódio, Helena não tem dúvidas e disse ao jornal britânico Evening Standard que terá sido transformada num alvo porque “sou uma mulher que usa gravata”. Helena explica que devido à sua surdez sofre de vertigens e não consegue caminhar correctamente, sendo por isso talvez também vista como um alvo fácil de atacar. 

Helena considera a cidade muito diferente de quando ali chegou: “[A cidade está a tornar-se] intolerante em relação às pessoas que são diferentes. Mas eu continuo a adorar Londres e os britânicos”, relata o mesmo meio.

As reacções por parte de amigos não se fizeram esperar e foi “avassaladora” segundo Helena, que está a aproveitar o impacto nas redes sociais para denunciar que “a homofobia está ainda muito enraizada” e apelou à denúncia destes crimes. A polícia britânica já está a acompanhar o caso.

Na internet corre um movimento para que no próximo dia 15 de Dezembro se proteste contra o sucedido usando gravatas e a hashtag #tieforhelena nas redes sociais. Ao mesmo tempo corre uma angariação de fundos a favor da associação de defesa das pessoas LGBT StoneWall denominada "Some women wear ties - Get over it!" para combater a homofobia e lesbofobia.

 

Paulo Monteiro

 

Notícia editada a 12/12/2015 com remoção das referências temporais às datas de imigração da vítima

3 comentários

Comentar