Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Poz, a app para encontros positivos

poz5.jpg

A Positive Hugs (Poz) é uma aplicação destinada a encontros entre pessoas portadoras do VIH, independentemente da orientação sexual. Lançada em Março, tem como objectivo ajudar pessoas solteiras e seropositivas a entrarem no mundo dos encontros sem discriminação.

 

poz6.jpg“Depois de ter sido diagnosticado em 2013 com VIH o estigma e a opinião dos outros foi o que se tornou mais difícil para conseguir seguir com a vida”, afirma Andrew Goyvaerts, criador da aplicação. Foi após ter sofrido alguns abusos noutras aplicações e depois de procurar outras apps específicas para pessoas seropositivas, mas considerou-as mais caras do que as convencionais. Isso inspirou-o a criar uma aplicação que fosse de encontro a esse público-alvo. “Todos nós sentimos um pouco o ego ferido quando somos rejeitados por não corresponder ao padrão de alguém ou por causa da nossa aparência, mas ter sido rejeitado por ser seropositivo magoou-me de uma maneira que nunca tinha sentido antes” explicou.

 

A aplicação não reúne ainda consenso na comunidade infectada pelo VIH, devido à segurança da mesma. Theodore Tsipiras, um australiano seropositivo, afirma que “é do conhecimento público a minha condição e a história do abuso de drogas, mas não é assim para tantas outras pessoas”. Theodore mostra-se preocupado com a forma como os usuários possam reagir a esta aplicação, numa óptica de encontrar “o amor da sua vida”. Considera ainda que é uma forma de exclusão, “uma minoria dentro de uma minoria e estão a restringir-se a si próprios”.

 

Para já, a Poz é uma app gratuita, mas assim que tiver usuários e usuárias suficientes será acrescentada uma taxa para aceder à versão pro.

 

Marta Santos

4 comentários

Comentar