Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Primeiro abrigo para refugiados homossexuais abre portas na Alemanha

Bandeira-da-Alemanha.png

Abriu em Nuremberga, esta segunda-feira, 1 de Fevereiro, o primeiro abrigo para refugiados homossexuais. A Alemanha decidiu abrir um abrigo para quem se identifique como homossexual, dado o aumento do medo entre pessoas de minorias sexuais que se têm refugiado neste país. 

O novo alojamento tem a capacidade para hospedar até oito pessoas, disse Michael Glas, que dirige a associação Fliederlich que começou a iniciativa. Apesar de ainda não haver residentes, as instalações estão prontas para acolher quatro pessoas, provenientes do Irão, Iraque, Síria e Etiópia, que já pediram abrigo.

A associação decidiu abrir este abrigo depois de ter sido contactada por alguns refugiados que afirmaram sentirem-se ameaçados nos abrigos onde foram colocados. "Os preconceitos não desaparecem quando se cruzam as fronteiras", disse Glas em declarações à Agência France-Presse (AFP). O dirigente acrescentou ainda que as mesmas pessoas que são perseguidas no seu país de origem por serem homossexuais, também são alvo de perseguições nos abrigos de refugiados na Alemanha.

Para além do abrigo de Nuremberga, deverá abrir ainda este mês de Fevereiro mais um alojamento em Berlim, maior, com uma capacidade para 120 camas.

Não existem dados disponíveis sobre ataques a refugiados homossexuais na Alemanha, mas a associação dirigida por Gals afirma que registou 95 casos de violência nos estados de Berlim e de Brandeburgo entre 1 de Agosto a 31 de Dezembro de 2015. Os ataques incluem violência física, sexual e outro tipo de ameaças.

Só no ano passado, cerca de 1,1 milhões de pessoas requereram asilo ao país liderado por Angela Merkel.

 

Fonte: AFP via France 24.

Luís Veríssimo