Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Acompanha aqui o #orgulho2017

“Princesas impossíveis”, um retrato de seis pessoas trans em São Paulo (com vídeo)

Princesas Impossíveis.jpg

“Estamos em uma era de desconstrução de preconceitos, em especial a LGBTfobia. No entanto, a exclusão sofrida por transgéneros continua notavelmente ignorada nos debates sobre discriminação e, nas raras ocasiões em que o tema é apreciado junto ao grande público, isso costuma se dar por um viés patologizante, altamente criticado por vários militantes da causa.

A falta de entendimento sobre a realidade trans é enorme, mas é cada vez mais acompanhada de grande curiosidade. Quem são essas princesas que o mundo insiste em enxergar como homens, esses rapazes que o mundo espera que sejam princesas e essas pessoas que não se identificam como homens nem mulheres?” é assim que Fernando de Oliveira descreve o seu documentário que aborda a realidade de seis pessoas trans que vivem em São Paulo: Monique Top (jornalista, apresentadora, dançarina e activista), Amara Moira (escritora, prostituta e activista), Caio Fucidji Ishida (estudante e activista), Paola (prostituta), Raul Lima Silva (estudante de Arquitetura e activista) e Carolina Gerassi (advogada).

Monique Top

Como qualquer realidade humana, este documentário consiste num emaranhado de histórias, vivências e opiniões, muitas vezes conflituosas entre si. O documentário busca trazer à tona algumas dessas histórias e começar a familiarizar seus espectadores com as questões trans. “Em poucos momentos fica tão claro como preconceitos são úteis ao sistema desigual e explorador em que vivemos. Todos os dias, o que mais vemos são oprimidos se voltando contra oprimidos. Enquanto nos hostilizamos uns aos outros, por sermos "macacos", "travecos", "viadinhos" ou "piranhas", não podemos nos voltar, juntos, contra o sistema que nos oprime a todos.” refere o realizador.

Podes assistir ao documentário na íntegra aqui: