Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Proibição de viajar para os EUA deixa refugiados LGBT no limbo

 

amarelo.jpg

Agredido pelo irmão por causa de sua orientação sexual, enquanto crescia no Irão, o maior desejo de Ramtin Zigorat é conseguir encontrar um local seguro para viver.

O activista dos direitos dos homossexuais, de 27 anos, que vive na Turquia, estava a caminho de uma nova vida nos Estados Unidos, mas seu sonho foi adiado em Janeiro depois de o presidente dos EUA, Donald Trump, ter decidido barrar o acesso de pessoas provenientes do Irão e de mais seis outros países. A sua história foi agora contada pela CNN. A nova ordem presidencial, emitida esta segunda-feira, tirou o Iraque da lista de países banidos, mas manteve o Irão e outros cinco países muçulmanos de entrarem nos EUA.

No Irão, um médico recomendou a Zigorat a cirurgia de mudança do sexo, uma opção possível num país onde ser gay é ilegal e muitas vezes a orientação sexual é confundida com identidade de género. Quando, em 2013, recusou renunciar a sua orientação sexual e o activismo LGBT, Ramtin Zigorat foi preso e condenado à morte.

Desde que fugiu para a Turquia há quase dois anos, Zigorat, que não usa o seu nome por questões de sua segurança. Inscreveu-se na agência da ONU para refugiados, a ACNUR, que lhe propôs ser acolhido nos EUA. Após a introdução da proibição de viajar de Trump, a segunda entrevista de Zigorat para um visto no EUA foi cancelada. Nenhuma razão foi apresentada. "Na Turquia, o Estado não é contra ti legalmente, mas culturalmente é o mesmo que o Irão", disse Zigorat em declarações à CNN.

De acordo com o ACNUR, existem 1.900 refugiados LGBT na Turquia, mas grupos de direitos LGBT estimam que o número seja maior, já que muitos têm medo falar sobre sua orientação sexual ou identidade de género.

 

Foto: Ramtin Zigorat (CNN). Texto: Fernando Santos

 

Publicidade: 

1 comentário

Comentar