Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Quem é o “perigoso” Milo Yiannopoulos que quer banalizar o discurso de ódio

milo.jpg

Britânico, gay, banido do Twitter, de extrema-direita e fervoroso apoiante de Donald Trump. Milo Yiannopoulos voltou para a ribalta noticiosa depois de centenas de estudantes terem impedido, esta quarta-feira, que realizasse uma conferência na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Houve ainda confrontos com a polícia.  

Milo Yiannopoulos é editor do Breitbart News, um site que era dirigido por Steve Bannon, que entretanto foi trabalhar para a Casa Branca. Yiannopoulos é uma das faces do movimento “Alt-right”, que costuma ser apresentado como “direita alternativa”, mas que outros sectores preferem descrever como de “extrema-direita”.
O jornalista está a fazer uma digressão pelas universidades dos EUA com o eloquente designação: “The Dangerous Faggot Tour” (“Bicha perigosa”). As suas intervenções baseiam-se na defesa da liberdade de expressão e na crítica ao “politicamente correcto” e ao que ele descreve de “ideologias”, como feminismo, teoria do género, islamismo radical e movimentos sociais como o Black Lives Matter. As intervenções nas conferências costumam ser polémicas, carregadas de afirmações racistas e misóginas, que geram intervenções acesas da audiência e dão depois origem a vídeos difundidos por Milo Yiannopoulos nas redes sociais. Nas conferências tanto surge com óculos de sol, como envergando um uniforme de polícia ou roupa de mulher.

livro milo.jpg

É assumidamente um troll (provocador da internet) que aproveita qualquer polémica para atacar a esquerda. Exemplo disso foi o incidente em Berkeley, que esteve a acompanhar em tempo real nas suas redes sociais. Em 2016 Milo Yiannopoulos tinha já sido notícia depois de o Twitter o banir após ataques racistas dirigidos à actriz Leslie Jones.

O próximo passo do jornalista será o livro “Dangerous”. É esse o título da autobiografia, editada pela Simon & Schuster que, só chegará às livrarias em Março mas que cujas pré-vendas a colocam já na lista de best-seller. Só o contrato com a editora ascendeu a 250 mil dólares.

 

Publicidade: 

27 comentários

Comentar