Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Rumos Novos – Católicas e Católicos LGBT contra cardeal-patriarca e diz que há muitos padres homossexuais

 

rumos.JPEG

A associação Rumos Novos – Católicas e Católicos LGBT considera que as recentes afirmações do cardeal-patriarca “somente contribuem para aumentar o estigma, dentro da igreja, em relação aos fiéis de orientação homossexual”.

O grupo destaca que conhece “muitos sacerdotes homossexuais, que se entregam seriamente ao seu ministério, mas também conhecemos muitos outros com afilhados, sobrinhos, governantas e afins, aos quais, muitas vezes, se olha para o outro lado. Qual é mais fiel a Cristo e ao ensinamento da Igreja?”, questiona a Rumos Novos.

Recorde-se que o cardeal-patriarca Manuel Clemente defendeu que as pessoas homossexuais não devem entrar nos seminários, e por consequência, exercer o sacerdócio. A Rumos Novos recorda que o próprio Catecismo da Igreja Católica “afirma que os fiéis de orientação homossexual 'deverão ser acolhidos com compaixão, delicadeza e respeito', o que, por maioria de razão, se deve aplicar igualmente aos candidatos aos seminários (…) Partir deste pressuposto errado de que as pessoas homossexuais que se aproximam dos seminários não podem ser aceites somente em função da sua orientação sexual constitui não somente uma menorização para estas pessoas, mas igualmente um afastamento da mensagem de amor do próprio Cristo, já para não falar que não se respalda em qualquer base científica”.

A mesma entidade refere que as palavras de Manuel Clemente “implicitamente” trazem “à tona a insinuação de que, de alguma forma, os recentes escândalos de pedofilia no seio da Igreja católica se encontram relacionados com a homossexualidade. Ora esta analogia implícita, não é verdadeira e contribui seriamente para a estigmatização das pessoas de orientação homossexual”.