Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

“Valentim de Barros é também a cara da resiliência”

Inês Marto.png

Valentim de Barros foi homenageado na 25ª Gala da Abraço. Em cima do palco o actor José Raposo e a escritora Inês Marto deram a conhecer a muitos dos presentes quem foi o bailarino português que passou quase quatro décadas encarcerado no Hospital Miguel Bombarda, em Lisboa, por ser homossexual.

Kevin Spacey, ser gay não é para as ocasiões

Leonardo Rodrigues.jpeg

Ontem, assim que acordei, percebi que se calhar o vilão Francis Underwood e Kevin Spacey não são assim tão diferentes. Digo isto por um motivo apenas, tentou criar uma diversão mediática para algo injustificável como é o assédio sexual, o que é agravado por ter sido dirigido a um menor.

 

 

Identidade e opressão

banner opiniao_Samuel F Pimenta.png

Graça Fonseca, Secretária de Estado da Modernização Administrativa, falou abertamente da sua homossexualidade numa entrevista. Se vivêssemos num mundo ideal, sem estigmas e violência, nada disso importaria. Mas ainda é necessário falar de homossexualidade, não numa lógica de quem faz o quê com quem (isso é da esfera íntima), mas na óptica da identidade (essa da esfera pública), tal como é necessário falar da identidade cultural, religiosa, étnica, ou outras que são alvo do preconceito da sociedade. E sempre com a consciência de que essas identidades são apenas uma dimensão do que se é na totalidade enquanto indivíduo. Como a própria Graça Fonseca afirma na entrevista ao DN, «na verdade não é uma questão da privacidade, é uma questão de identidade. Que é dizer “eu sou morena e tenho olhos verdes e sou isto”. Aquilo que se faz com ser morena e de olhos verdes é que é uma questão da tua vida privada.»

 

Estive no Pride do Uganda. A luta continua

Matt Beard All Out.png

Enquanto esperava pelo táxi no Aeroporto de Entebbe, enchi o peito de orgulho e esperança pela Marcha do Orgulho LGBT 2017 de Uganda. Nos próximos dias, finalmente, as pessoas LGBT iriam reunir-se numa série de eventos para celebrar o espírito de comunidade, diversidade e orgulho. Momentos assim são raros e preciosos no Uganda. As pessoas LGBT têm pouquíssimas oportunidades, quando muito, de sentir a força de uma acção comum. A Marcha do Orgulho é um combustível para activistas que enfrentam todas as adversidades para lutar pelos seus direitos.

 

 

Inês Marto: "Gosto de acreditar que podemos amar porque sim, e isso chega"

banner opiniao_Inês Marto.png

Inês tem uma história de vida que decidiu partilhar com os leitores do dezanove. Sem dúvida um testemunho especial e interessante. Decidimos publicar o seu testemunho e, a seguir, entrevistá-la para saber mais sobre ela. Afinal não temos todos algo para dar e receber?

 

 

 

Quem afirma ter sexo e nega ter género: considerações e críticas ao Gender Paranoia (Ideologia de Género)

banner opiniao_Delso Batista.png

No artigo 'Peço desculpa, tenho sexo, não tenho género', o autor José Manuel Fernandes, sugere esclarecer o que ele ainda não foi capaz de entender: orientação/preferência sexual não é o mesmo que género/papel de género, e muito menos, sexo biológico.

 

 

Rui Maria Pêgo: "Ir aqui, na próxima terça-feira, entre as 18h e as 20h"

Rui Maria Pêgo.png

Sobre a existência do campo, um porta-voz da presidência da Chechénia diz: "Não se pode prender ou perseguir pessoas que não existem aqui, Se tais pessoas existissem na Chechénia, as autoridades não teriam que se preocupar, porque as próprias famílias tratariam de enviá-los para sítios de onde já não pudessem voltar".