Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Uma dúzia de polémicas que marcaram 2016

as polémicas do ano.jpg

2016 não acaba antes de fazermos a retrospectiva sobre as polémicas que marcaram o ano. Subjacente a todas estão sempre os mesmos e perigosos denominadores comuns: ódio, homofobia ou muita ignorância. Nada como expor estes casos e podermos levar aos nossos leitores o mais importante: a informação que gera reflexão e acção.

 

 

 

A palavra “mariconço” é um insulto ou pode ser usada no quotidiano? (com vídeo)

 

ricardo araujo pereira.jpeg

"Quando digo às minhas filhas que não sejam maricas, não estou a pedir-lhes que não sejam homossexuais masculinos. Elas sabem, aliás, que, se quiserem ser homossexuais masculinos, o pai não se opõe." Ricardo Araújo Pereira voltou ao significado das palavras “mariconço” e “maricas”, numa crónica publicada na edição desta semana da revista Visão.

 

“Este livro deve ser lido por todas as famílias”

magina.jpg

O autor de “A Vila das Cores” conta em entrevista ao dezanove a motivação por detrás do livro. “Destina-se tanto a crianças como a pessoas adultas e deve ser lido por todas as famílias. De certa forma, não é só a homofobia que aqui é abordada, mas também o racismo, o preconceito e a discriminação em geral”, refere Bruno Magina. No próximo Sábado, dia 6, decorre uma apresentação do livro na Casa da Achada (rua da Achada, 11, em Lisboa), a partir das 18h.  “Até ao final deste ano, irei participar em alguns eventos para os quais tenho sido convidado. Em 2015, farei uma tournée em escolas e bibliotecas de vários pontos do país”, destaca.

 

A Vila das Cores, o novo livro infantil arco-íris para todas as famílias

capa a vila das cores.jpg

A Vila das Cores é o mais recente livro infantil de temática LGBT. O livro será apresentado publicamente este Sábado pelas 18 horas no novo Centro LGBT, em Lisboa.

A realidade das famílias com pais gays e mães lésbicas nas ruas de Lisboa

As imagens do quotidiano de oito famílias com pais gays e mães lésbicas vão ocupar até 14 de Janeiro os mupis da Câmara Municipal de Lisboa e os ecrãs da Associação de Turismo de Lisboa. 

 

 

Porto recebe mais uma edição da Feira do Livro LGBT

Começa já este Sábado, dia 23 de Março, no Porto a segunda edição da Feira do Livro LGBT organizada pelo projecto Porto-Íris, o pólo da ILGA Portugal no Norte do país.

Adopção de crianças por casais do mesmo sexo em "Esperando Diana" e na RTP (com vídeos)

A adopção de crianças por casais do mesmo sexo é o tema central da peça que vai ser levada à cena no Auditório Municipal Eunice Muñoz, em Oeiras, a partir de 1 de Março.

 

“Luanda, Lua”, um livro que nos conta que o amor é para todas as crianças e para todas as famílias

“Luanda, Lua” é o terceiro livro de Marta Morgado, escritora, ilustradora e professora de surdos. O livro, em jeito de biografia de uma família arco-íris, foi apresentado esta quinta-feira no Cinema São Jorge, em Lisboa, no decurso da 16ª edição do festival de cinema gay e lésbico que termina este Sábado.

 

Marcha Lisboa: “Todos os direitos, para todas as pessoas, para todas as famílias”

Os avanços conquistados pela comunidade LGBT portuguesa nos últimos anos não fizeram esmorecer os manifestantes que se reuniram este Sábado à tarde em Lisboa.

Ocupas do edifício do Centro LGBT não pretendem sair

Os ocupas do primeiro e segundo andares do edifício onde está instalado o Centro LGBT não pretendem abandonar o espaço. Os responsáveis receberam uma nota de despejo datada de 2 de Maio, indicando que tinham 10 dias para abandonar o edifício municipal. Apesar de não prestarem declarações à imprensa, os ocupas têm divulgado no blogue São Lázaro 94, as pinturas, os pequenos arranjos e as actividades que estão a desenvolver.

 

 

Homofobia no caso Manhunt ganha dimensão nacional

O caso da recusa de publicidade da rede social Manhunt nos espaços publicitários na rede de metro de avançado pela Time Out Lisboa há uma semana, tem feito surtir inúmeras reacções na comunicação social generalista, activistas e deputados.