Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Andreja Pejic é a primeira modelo transgénero na capa de uma GQ. E foi em Portugal

GQ Portugal Andreja Pejic

Andreja Pejic é a primeira modelo transgénero a estar na capa da revista GQ em todo o mundo. A capa da edição do mês de Abril da GQ Portugal surge no seguimento do prémio de Modelo Feminina Internacional do Ano, atribuído à modelo australiana nos últimos GQ Men of the Year Awards.

Andreja Pejic: "Corri um risco, mas valeu a pena" (com vídeo)

Andreja Pejic.jpg

A supermodelo Andreja Pejic esteve na Web Summit de Lisboa. Andreja falou da sua incursão no mundo da moda e da cirurgia de mudança de sexo a que se submeteu em Janeiro de 2014. A sua história vai poder agora ser vista num documentário que foi realizado com recurso a uma campanha de crowdfunding.

Exposição em Lisboa para assinalar o Dia Internacional da Despatologização Trans

exposição Trans António Pedro Almeida.jpg

Com o propósito de assinalar o próximo Dia Internacional da Despatologização Trans (22 de Outubro), o fotógrafo António Pedro Almeida inaugurará uma exposição de fotografia no Centro LGBT, em Lisboa, pelas 21h30.

 

Governo, PAN e Bloco querem lei de autodeterminação de género em 2017

Foto de Horta do Rosário

O PAN anunciou que irá avançar ainda esta semana com uma iniciativa legislativa que visa garantir a autonomia e a autodeterminação das pessoas trans. A proposta do partido Pessoas Animais Natureza pretende facilitar o reconhecimento legal da identidade destes cidadãos.

 

 

Alice Cunha: "Opá, acho que fica mal..."

opiniao_alice cunha.png

Todos os anos a mesma coisa, no mesmo sítio, e um calor imenso ainda por cima! Refiro-me à concentração para a Marcha do OrgulhoLGBT de Lisboa, no Jardim do Príncipe Real. Se fosse um convívio no parque, com música baixinha para não incomodar ninguém, vá que não vá… Porque se queremos respeito, não podemos fazer muito barulho. Temos de estar de cabeça baixa, e caladinhas, para que não incomodemos. Às vezes nem é preciso pedir tanto, afinal de contas “respeito” é algo já forte… No mínimo, queremos ser toleradas, vá. Certo? Mesmo que não nos possamos expressar como somos, mesmo que só nos tolerem se nos reprimirmos e existirmos nos moldes deles, nunca nos nossos.

“Princesas impossíveis”, um retrato de seis pessoas trans em São Paulo (com vídeo)

Princesas Impossíveis.jpg

“Estamos em uma era de desconstrução de preconceitos, em especial a LGBTfobia. No entanto, a exclusão sofrida por transgéneros continua notavelmente ignorada nos debates sobre discriminação e, nas raras ocasiões em que o tema é apreciado junto ao grande público, isso costuma se dar por um viés patologizante, altamente criticado por vários militantes da causa.

 

"Tchindas", o premiado filme trans cabo-verdiano que está a dar que falar (com vídeo)

O filme cabo-verdiano “Tchindas” (2015) realizado pelos catalães Pablo García Pérez de Lara e Marc Serena venceu o prémio para Melhor Documentário no Cape Verdean American Film Festival 2015. A película está a percorrer vários festivais um pouco por todo o mundo e este é já o oitavo prémio que arrecada.

"Chá da Meia-Noite" de Sibila Lind traz-nos Jo Bernardo

cha_da_meia-noite-jo bernardo-at.jpg

Jo Bernardo é talvez, se não mesmo, a primeira activista T em Portugal. “Chá da Meia-Noite” (2014) de Sibila Lind, jornalista multimédia do jornal Público, tenta (re)descobrir esta figura ímpar do panorama queer português.

O meu amigo trans suicidou-se. Esta é a minha homenagem

stop suicidio.jpg

Santiago tinha 30 anos e vivia numa cidade do distrito de Lisboa. A sua história de vida é igual à de tantos outros jovens: Depois de ter estudado e trabalhado em locais onde a discriminação imperou, decidiu voltar a estudar e a procurar trabalhos onde se sentisse melhor.  

Júlia Pereira: "As pessoas trans não estão a ser respeitadas nos serviços de saúde e continuam a ser indevidamente tuteladas pelos profissionais da área"

diario-noticias-20150730-júliacapa (1).jpg

Júlia Pereira, actual dirigente da API – Acção Pela Identidade – ONG de defesa e o estudo da diversidade de género e características sexuais em Portugal e membro da  membro da TGEU – Transgender Europe, organização europeia de defesa dos direitos das pessoas trans, é a primeira mulher transexual a concorrer como deputada a um assento parlamentar no nosso país. Júlia Pereira, de 25 anos, integra as listas do Bloco de Esquerda pelo círculo de Setúbal.

Júlia Pereira tem, nos últimos anos, mostrado o seu trabalho entre a política e o activismo. Na política é militante do Bloco de Esquerda há vários anos e pertence, desde finais de 2014, à Mesa Nacional do partido. No passado mês de Maio a dirigente bloquista interveio numa audição inédita realizada na Assembleia da República sobre a necessidade de alterar as leis que regulamentam os direitos trans. Já no activismo coordenou o GRIT - Grupo de Reflexão e Intervenção sobre Transexualidade e foi a primeira mulher trans na direcção da ILGA Portugal.

Depois de que foi conhecida a sua candidatura às eleições legislativas de 4 de Outubro, Júlia tem-se desdobrado em entrevistas a vários órgãos de comunicação social em Portugal. Fica agora a saber ainda mais nesta entrevista: