Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Tema da PrEP já chegou ao Parlamento

isabel final.jpg

“O que acham de PrEP?” Foi esta a questão colocada por vários leitores do dezanove.pt aos deputados que participaram no debate promovido a 17 de Maio. A profilaxia pré-exposição (PrEP) consiste na toma de um medicamento, usado para tratar pessoas que vivem com VIH, para prevenir a infecção por VIH em pessoas seronegativas. Vários estudos demonstraram que, quando tomada devidamente, esta estratégia de prevenção anti-VIH tem uma eficácia perto dos 100 por cento. Na Europa apenas em França inclui a PrEP  no Sistema Nacional de Saúde. 

O deputado José Soeiro relembrou que, “apesar de o debate não ter muita invisibilidade no espaço político, não é verdade que não tenha chegado ao Parlamento. O Bloco tem um projecto de resolução, de recomendação ao governo, entregue na Assembleia da República, sobre esta matéria, para que se comece a estudar a possibilidade, necessidade e a vantagem, a semelhança do que acontece noutros países, de poder haver comparticipação ou inclusão deste medicamento na política de saúde. Não sei como reagirão os outros partidos, mas há debates que, no início, são minoritários que depois vão começando a fazer o seu caminho”, apontou o deputado do Bloco de Esquerda.
Também Isabel Moreira sublinhou que tem estado a trabalhar sobre este dossier com organizações não-governamentais. “Há um argumento muito moralista em relação à PreP, no sentido de dizer que as pessoas vão tomar PrEP e vão começar a ter comportamentos imorais e a ter sexo com toda a gente. Esse é um argumento moralista e absolutamente inaceitável”, disse a deputada do PS, que considerou ainda que “a possibilidade de acesso à PrEP vai ser uma luta parecida, do ponto de vista das resistências e da pressão das indústrias farmacêuticas por causa dos custos, com a que houve no início pelo acesso aos primeiros medicamentos anti-retrovirais. Espero que chegue a bom porto”.
 
Encontras no vídeo esta questão a partir do minuto 40:

 

Mais fotos do #debate19

1 comentário

Comentar