Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Top of the pop(per)s

Fischerspooner.jpg

Os Fischerspooner já tinham avisado que o próximo álbum iria abordar os relacionamentos queer na era digital, e de forma mais despudorada do que qualquer outro do seu percurso. Mas se os videoclipes dos singles anteriores - "Have Fun Tonight""Togetherness" - já eram consideravelmente crus na abordagem à sexualidade, a banda nova-iorquina vai bem mais longe nas imagens que acompanham a nova amostra de "SIR", disco a editar a 16 de Fevereiro.

 

O duo de Warren Fischer e Casey Spooner tem descrito o videoclipe de "TopBrazil" como o mergulho numa estética pop "tipicamente reservada para o arquétipo feminino", orgulhando-se de avançar aqui com um retrato que "liberta a forma masculina para ser sexual, expressiva e destemida".

A Out Magazine concorda e chega a defender que as danças, coreografias e cenas de sexo quase explícitas entre dezenas de homens numa sauna, dirigidas por Tom C J Brown (realizador vindo do cinema de animação queer), são uma representação "sem precendentes" da homossexualidade masculina nos media mainstream (afirmação discutível quando uns Kazaky ou Cazwell, por exemplo, percorreram terreno comparável há uns anos).

Já dezenas de reacções na página de Youtube do vídeo não têm sido tão entusiastas. Boa parte são mesmo assumidamente homofóbicas, incluindo as de utilizadores brasileiros ofendidos com o título da canção, e outras das maiores críticas apontam a representação estereotipada de homens gay, uma vez que todos os recrutados são jovens e atléticos.

Mas para o melhor e para o pior este é um sério candidato a videoclipe mais comentado dos FISCHERSPOONER, embora talvez seja demasiado transgressor para vir a ser distinguido por referências LGBTQ como os GLAAD Awards (muito pouco inclusivos na categoria musical das nomeações da edição deste ano, convenhamos).

E a canção em si? É relativamente menos arrojada, num acesso electropop eficaz com produção de Michael Stipe (também co-compositor do álbum) e Stuart White, talvez mais convincente do que o single anterior, "Butterscotch Goddam", e na linha do primeiro avanço do álbum, "Have Fun Tonight", sem chegar a ser tão infeccioso. De qualquer forma, neste caso seria difícil que a música não acabasse por ser dominada pela imagem...

 

Gonçalo Sá

Publicado originalmente no blog gonn1000