Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

Em Portugal e no Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Conquistas em Orgulhos LGBT+ em Portugal

monumento-vitimas-homofobia.jpg

A revolução do 25 de Abril de 1974 trouxe a Portugal vários tipos de liberdade (política, religiosa, artística, económica, sexual, etc.) Entre a liberdade sexual, uma das principais conquistas situam-se no seio das pessoas LGBT+. Segundo algumas opiniões, já não faz sentido comemorar o Pride (orgulho gay), porque este significa a luta por direitos que já foram adquiridos, enquanto para outros  faz todo o sentido, porque segundo eles na prática algumas dessas coisas não foram adquiridas ou porque muito do que foi adquirido ainda se pode perder, principalmente com a ascensão dos extremismos de direita.

 

 

Ser queer é mesmo à tuga

Maria Kopke.png

Da Marcha do Orgulho do Porto saiu uma fotografia que, para mim, representa um dos momentos mais bonitos de 2024 – António Fernandes, um senhor de 80 anos, visivelmente emocionado a segurar uma bandeira LGBT enquanto vê passar a multidão colorida à porta de sua casa

 

"Ser ou não ser?"

Nao binário

“Ser ou não ser? Eis a questão!” a tão célebre frase da autoria de Shakespeare que vem a assombrar a minha mente há vários anos. Parece ser uma questão de resposta fácil, porém a dificuldade começa a surgir quando decidimos que queremos SER, mas desconhecemos por completo aquilo que SOMOS ou que devemos SER.

 

Porto: Esta também é a nossa cidade

IMG-20240629-WA0094.jpg

Foi cheia de orgulho e ao som de palavras de ordem como “Assim se vê a força LGBT!” ou “Nem menos nem mais, direitos iguais!”, que milhares de pessoas, este sábado, voltaram a vestir o centro do Porto - de onde tinham sido afastadas - com as cores do arco-íris, na “19.ª Marcha do Orgulho LGBTI+ do Porto” e no “Arraial + Orgulhoso do Porto”.

 

 

O fenómeno tailandês FreenBecky: as estrelas por detrás de Uranus2324 e The Loyal Pin

 fig 1.png

FreenBecky posando para a revista SPOTLIGHT (2022)

A dupla FreenBecky: Depois de actuarem juntas na série de drama BL “Secret Crush on You” (SCOY, IdolFactory, 2021), a química e cumplicidade das actrizes chamou a atenção dos directores que escolheram FreenBecky a dedo para protagonizar a primeira série de drama GL da Tailândia "GAP: Pink Theory" (IDF, 2022). A série tornou-se viral, tendo catapultado a carreira de FreenBecky a nível internacional.

 

 

"Manifesto pelas Identidades e Famílias: Portugal Plural" de João Costa

joão costa

“Fazer festa nos 50 anos do 25 de Abril é celebrar a inquietude perante a exclusão. É saber que vivo num país melhor, muito melhor, mas que ainda não é de todos e para todos. É saber que enquanto houver segregação, pobreza, desigualdade, exclusão, o caminho está aqui para ser trilhado. É cantar por cada passo dado, com os olhos postos em todos os impossíveis que ainda estão por desbravar.”

A European Summer Closing Pride fecha o Orgulho em Benidorm

thumbnail_20230909_180512.jpg

Realizado no final do Verão, o “Benidorm Pride Festival” - denominado como “European Summer Closing Pride” - é o último evento de verão do calendário LGBT e um dos mais bem-sucedidos da Europa, com pessoas de todo o mundo a viverem esta experiência única na cidade conhecida como a “Nova Iorque do Mediterrâneo”.

Marsha P. Johnson (1945-1992) - a importante activista americana pela libertação dos Direitos LGBT

capa_do_documentario_life_and_death_of_marsha_p_johnson_da_netflix_foto_divulgacao_netflix_widelg.jpg

Há algum tempo que desejo entender melhor a origem do Mês do Orgulho ou Pride Month. Ao fazer pesquisas aprendi um pouco sobre uma figura muito importante deste mês no qual se celebra a diversidade: Marsha P. Johnson. Muitos conhecem a sua figura, mas mais interessante é conhecer a sua história e o seu papel para o mundo LGBTQIA+.
 

"Dissidências e Resistências Homossexuais no Séc. XX Português" de António Fernando Cascais

dissidências homossexuais

“A história da homossexualidade é a história de tudo quanto foi infligido às pessoas homossexuais a pretexto de o serem, mas é, no mesmo pé, a história de todas as formas pelas quais elas reagiram e se defenderam, construindo e reconstruindo contra-identidades de resistência.”

 

 

“Os 99 namorados de Micah Summers” – um livro de Adam Sass

os-99-namorados-de-micah-summersTB72143-scaled.jpg

Lançado em Abril do presente ano, o livro “Os 99 namorados de Micah Summers” é da autoria de Adam Sass, com tradução de Pedro Póvoa e edição pertencente à Secret Society. A obra, de 400 páginas, tem uma capa e design da mesma (a par do marcador no seu interior), bastante atractiva e de uma beleza diferenciadora. 

 

 

Comunidade LGBT – Faltam cores na tua bandeira

Maria Kopke

Ah, o Mês do Orgulho. O mês mais colorido do ano – em teoria.

Na prática, nem sempre me é fácil ver para além dos tons acinzentados, face à rota distópica em que nos encontramos. Entre a ascensão da extrema-direita na Europa, um genocídio a acontecer na Palestina com impunidade para Israel, e uma notícia nova todos os dias sobre como estamos a tornar o planeta cada vez mais inabitável, quase que me esqueço quais são as cores do arco-íris.

 

 

Vamos Falar sobre Aquilo: O Guia para Adolescentes sobre Identidade, Sexo e Relações

003775697.jpg

O que estou a sentir é normal? Estas mudanças são normais? Eu sou normal? Como sei se estou a fazer as escolhas certas? Como me devo comportar? Como corrijo os erros que cometi?

- Erika Moen, Vamos Falar sobre Aquilo (Booksmile, 2024)

Extrema Direita volta a ameaçar Mariana Jones, autora do livro "O Pedro gosta do Afonso"

o pedro gosta do afonso

No passado Sábado, por ocasião da apresentação do livro "O avô Rui, o senhor do Café" em homenagem a Rui Nabeiro, na Fnac do NorteShopping, a escritora Mariana Jones foi alvo de intimidação e ameaças por parte de elementos do grupo de extrema-direita "Habeas Corpus", relacionadas com outro livro da sua autoria "O Pedro gosta do Afonso". Encabeçadas pelo seu líder, o ex-juiz negacionista Rui Fonseca e Castro (recorde-se, foi expulso da sua actividade pelo Conselho Superior da Magistratura, por incentivar nas redes sociais, nessa qualidade de juiz, entre outros, à violação das regras sanitárias relativas à pandemia da covid-19), estas pessoas interromperam a sessão, assediando a escritora, chamando-a de "promotora da homossexualidade infantil e pedofilia".
 

A História de Portugal no feminino e o papel das mulheres na construção do país

A-História-de-Portugal-no-feminino.png


A historiadora Ana Rodrigues Oliveira acaba de publicar Portugal - Uma História no feminino, pela editora Casa das Letras. A História de Portugal foi sempre dada no masculino e os principais autores foram sempre homens. Nas escolas as alunas são confrontadas com uma raríssima e capilar presença feminina, reificando a ideia de que a História é feita só por Homens. A edição deste livro representa um marco fundamental para outras leituras da História num trabalho que retrata o papel decisivo das mulheres da fundação do país como D. Teresa (séc. XI-XII), mãe de D. Afonso Henriques até à única primeira-ministra que o país teve, Maria de Lourdes Pintasilgo (séc. XX).