Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

A Abraço faz 30 anos e é preciso  “mudar a história do VIH”

Abraço vih

No âmbito do 30º aniversário da associação, que se assinalou a 5 de Junho, a Abraço apresenta uma campanha de impacto dirigida à mudança de como se deve entender e perspectivar o VIH nos dias de hoje.

Esta iniciativa pretende mostrar a realidade atual do VIH e relembrar e sensibilizar a sociedade da importância do rastreio ao VIH e outras IST. A campanha é composta por três filmes e conta a história de três pessoas diferentes que testaram positivas para o vírus do VIH e, apesar disso, levam vidas completamente normais. Esta campanha conta no elenco com Joana Brandão, Joana Cruz, Laura Dutra e Ricardo Raposo.

A campanha apela a que todos se envolvam e se sintam responsáveis por mudar a história do VIH no sentido de compreenderem que as pessoas com VIH têm hábitos e vidas normais.

A campanha será apresentada hoje ao fim da tarde em Lisboa, será constituída por spots de vídeo para televisão bem como outdoors e mupis que serão divulgados em várias cidades do País. Uma campanha realizada pela Abraço em parceria com a agência Coming Soon e que estará igualmente nas redes sociais. 

“Com a evolução dos tempos, o VIH mudou e em 2022, as pessoas que vivem com VIH vivem vidas normais”, assume Cristina Sousa, presidente da Associação. “Nestes últimos 30 anos, a Abraço precisou reinventar-se diariamente para acompanhar este processo evolutivo, mas actualmente o VIH é considerado uma doença crónica, onde a própria medicação evoluiu e nós, enquanto associação, estivemos juntos em todos esses passos, sempre a cuidar de quem mais precisa”. Está na altura de asociedade em geral ajudar a passar a mensagem de que quem vive com VIH e se encontra em tratamento, não transmite a doença. Se a sociedade estiver massivamente informada que tratamento = indetectável = intransmissível existirá menos preconceito e discriminação associados a quem vive com a doença. 

Desde cedo que a Abraço assume um papel importante na literacia em saúde em termos de prevenção, rastreio, ligação aos cuidados de saúde e adesão ao tratamento. Com delegações em Lisboa, Setúbal, Aveiro, Porto, Braga e Funchal, a Associação de Apoio a Pessoas com VIH/SIDA é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) com fins de saúde que desenvolve o seu trabalho na área da prestação de apoio a pessoas infectadas e afectadas pelo VIH/SIDA, Hepatites Víricas e outras IST.