Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

"A beleza do Miss Drag Lisboa retira inspiração de vários sítios para criar uma noite de entretenimento incrível"

Miss Drag Lisboa Miguel Rita Miss Moço

No dia 6 de Novembro, às 22h30m, no Estúdio Time Out, irá decorrer a 4ª edição do concurso Miss Drag Lisboa, depois de em 2020 a sua realização não ter acontecido devido à pandemia.

O concurso foi criado em 2017 por Miss Moço, que afirma ao dezanove.pt que este surgiu como “uma forma de mostrar a sua arte e de criar uma plataforma para todo o talento incrível que estava a ver em Portugal”, uma vez que quando se mudou para Lisboa em 2016 percebeu que não existiam muitas oportunidades para fazer drag.
A Miss Moço juntou-se Miguel Rita, que partilhou com o dezanove.pt que “A maior mudança do concurso foi logo no segundo ano, quando este começou a ter lugar no Estúdio Time Out, devido à necessidade de acolhermos um público que tem vindo a crescer”. Para além disto, todos os anos o palco tem sido diferente e vão-se limando arestas ou arriscando mais mudanças.
A cada ano existem mais pessoas a inscrever-se no concurso e “na selecção dos concorrentes tenta-se avaliar o potencial das queens e também criar um grupo eclético que represente várias abordagens que se podem ter a fazer drag”, defende Miguel Rita. A vencedora deste ano irá receber, como é tradição desde 2018, uma criação do Atelier Oficina, mas a novidade está no prémio monetário de 300 euros, que é patrocinado pela Lisboa Pride.
Miss Moço e Miguel Rita sentem-se felizes com o facto de existirem hoje em dia mais oportunidades e visibilidade para artistas drag, algo que não era uma realidade quando começaram o concurso, mas defendem que as portas não se têm aberto com a celeridade que gostariam para os concorrentes das edições anteriores. Porém, ambos acreditam que isso também poderá fomentar a criatividade das artistas em criarem espaços onde podem mostrar o seu trabalho – Babaya Samambaia, a vencedora da edição de 2019, é um exemplo disso, ao ter criado a plataforma BRABA, cujo propósito é o de fomentar e financiar iniciativas criativas protagonizadas por pessoas trans e não binárias.

A recepção do público tem sido muito positiva e este ano as pessoas parecem ainda mais ansiosas, já que a plateia em pé ficou esgotada em apenas 3 horas. Ao comparar a edição em Portugal com a de outros países, Miss Moço afirma que “acho que a beleza do Miss Drag Lisboa é o facto de retirarmos inspiração de vários sítios para criar uma noite de entretenimento incrível. Acho que o Miss Drag Lisboa tem uma qualidade na produção que nos distingue de outros concursos”.
Há ainda o papel importante que este tipo de concursos tem para a sociedade. Para Miss Moço “O Miss Drag Lisboa é um safe space para todos, dos mega fãs ao público que está a descobrir o drag como forma de expressão artística. Acho que tudo o que fazemos, como pessoas queer, temos de o fazer loud and proud”. E para Miguel Rita “Além de apresentar drag a pessoas que nunca tinham assistido, acho que este tipo de concursos é muito importante também para mostrar os diferentes tipos de drag que existem e quebrar um pouco com as ideias pré-concebidas do que é um espectáculo drag”.
Embora Miguel e Miss lamentem as concorrentes que perderam devido ao interregno causado pela pandemia, isto não lhes retirou a capacidade de continuarem a inovar e Miguel Rita espera que em 2022 possam vir a fazer algo muito especial, não revelando ainda mais pormenores. Miss Moço afirma-se muito orgulhosa de tudo o que criaram até aqui, naquilo que começou por ser uma pequena ideia escrita num pedaço de papel, partilhando o mesmo desejo de crescer e de surpreender.

Miss Drag Lisboa 2021

O melhor mesmo é adquirir um dos poucos lugares ainda existentes para ir assistir à edição deste ano, apresentada por Miss Moço, que vem de Toronto especialmente para o concurso. A edição deste ano terá como concorrentes Bolör, Çirce, Kara Kills, Mary Poppers, Suprema Prosperity, Star Butterfly e Wilda Light.  O júri será composto pela drag queen Belle Dommage, pelo maquilhador Miguel Stapleton, pelo actor Vítor D´Andrade e por Lemon do programa Canada's Drag Race. Terão ainda lugar performances de Babaya Samambaia (vencedora 2019), Demi Starlight e Aphrodiet (ambas finalistas da edição anterior) e de Belle Dommage. A apresentação do evento estará a cargo de Sylvia Koonz.

 

Paula Monteiro