Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

A performance de Paula Lovely na Gala Abraço (com vídeo)

Paula Lovely.jpeg

A 26ª edição da Gala Abraço já lá vai, mas há uma prestação que não podemos ignorar, e que, de resto, já destacamos aqui.

Paula Lovely fez parte da maratona de artistas que doou a sua arte em prol da angariação de fundos para a associação que luta contra a serofobia e presta apoio a pessoas que vivem com o VIH no nosso país.
Embora na noite da Gala, a performance da artista italiana radicada em Lisboa tenha sido afectada por alguns problemas técnicos, importa partilhar o material a que o dezanove.pt teve acesso.

 

 

Mensagem de Paula Lovely:

Sentímo-nos, por muito tempo, como medusas belíssimas, tristes e intocáveis.
Sentíamos que, pelo contrário, era possível continuar a tocar-nos, a conviver e construir o
futuro connosco.
Quando nos disseram que tínhamos VIH, muitos de nós devem ter pensado que nunca mais
amariam: estávamos enganados.
É a ciência a dizé-lo. Tem sido difícil acreditar nela.
Contudo, este ano, 2018, foi confirmado com toda a clareza possível: o nosso vírus não pode
ser transmitido sexualmente, se tomarmos corretamente a nossa terapia.
Então não há mais espaço para o medo.
Saímos do abismo para brilhar no sol entre os outros e as outras.
Hoje, 1 de Dezembro de 2018, não há mais espaço para o silêncio, a resignação, a exclusão.
Não há mais espaço para discriminação.
Não há mais desculpas para o estigma.
Hoje ocupamos, com os nossos corpos seropositivos, o espaço que desde sempre merecemos,

atravessando vidas, histórias e os média. Hoje estamos aqui, para lembrar quem foi, celebrar

quem ficou, para olhar para a frente com esperança e coragem.
Sabemos que uma infecção não é uma falha, não é um pecado, não é o que nós merecemos.
Podemos voltar a sentirmo-nos limpos, inteiros.
Podemos parar de pensar que VIH e SIDA vivem longe de nós, e enfrentá-los.
Hoje, aqui, vivamos com VIH ou não, estamos juntos.
A fazer a diferença
Aproveito para agradecer às pessoas com quem realizei esta intervenção: Alexius Silvio Reyes,
David Durão, Gabriele Pignalosa e, finalmente, Asia Giannelli, que convido ao palco.
Agradeço à organização do evento pelo convite, a associação Abraço pelo seu trabalho na luta
contra a SIDA, e todas as pessoas, organizações, associações, colectivos, artistas, jornalistas e instituições que lutam todos os dias para estimular consciência, informação, memória histórica, reflexão colectiva e divulgar boas práticas e responsabilidade social.

Parar o VIH está nas nossas mãos!
Obrigada
Paula Lovely