Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

“Amor Fati” de Cláudia Varejão nos cinemas a 12 de Novembro

AMOR FATI 1.jpg

O novo filme da realizadora Cláudia Varejão, “Amor Fati”, chega a 12 de Novembro às salas de cinema portuguesas. Esta longa-metragem coproduzida pela Terratreme é um retrato íntimo de pares e grupos de pessoas que partilham a vida, um elogio ao mistério dos encontros.

 

 

Depois de ter integrado a competição de um festival online na Suíça, “Amor Fati”vai ter a sua antestreia em Portugal no DocLisboa 2020 a 11 de Novembro, inserido no programa Deslocações. O fime avança depois para outras salas de cinema para contar as histórias das metades que completam os intervenientes. “Amor Fati” propõe irmos ao encontro dessas metades que, hoje, voltaram a convergir, como se fossem elementos químicos atraídos na mesma direcção. Mas onde também se fala da ausência enquanto condição vital e do caminho que é necessário percorrermos a sós.

Para este filme a realizadora procurou, por todo o país e ao longo de dois anos, histórias de amores inabaláveis que se expressavam em fisionomias idênticas e encontrou centenas de pares. "Este filme é um atlas de histórias e emoções que expressam o meu sentimento pela humanidade e que tende a engrandecer diante da nossa vulnerabilidade, diante da morte. Criar imagens é a minha tentativa de superar a efemeridade dos eventos, incorporando algo maior e mais belo. A vida é assim, ininteligível. O meu esforço, com os meus filmes, está em torná-la inteligível. Talvez o cinema nos ajude, assim, a fintar o fim.", declara a realizadora Cláudia Varejão.

Num filme repleto de personagens podemos encontrar Simão Telles aka Symone de la Dragma que nos fala da sua paixão pelo pequeno e terno Gianni, bem com Nix e Pacola que lutam por um mundo sem binarismos de género e vivem as suas vidas numa fluidez de identidades. Os seus corpos, diversos e únicos, são os seus manifestos diários.

AMOR FATI 3.jpg

Cláudia Varejão trabalha em realização desde 2005, tendo-se estreado na realização de longas-metragens em 2016 com Ama-San, um filme que retrata um grupo de mergulhadoras japonesas, que recebeu dezenas de prémios em festivais de todo o mundo e que teve estreia comercial em Portugal em 2017. “Amor Fati” é uma co-produção entre a portuguesa Terratreme e entre as produtoras Mira Films (Suíça) e La Belle Affaire (França).