Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Califórnia exige uma área neutra em termos de género em grandes superfícies

Gender neutral toys

Gavin Newson, governador do estado da Califórnia, assinou no passado dia 10 de Outubro uma nova lei que determina que as grandes superfícies comerciais passem a ter uma secção neutra de género, sem proibir as secções tradicionais divididas por géneros masculino e feminino.

 

A Califórnia tornou-se o primeiro estado norte-americado a exigir que produtos como brinquedos e escovas de dentes sejam exibidos de uma forma neutra de género nas grandes lojas, com pelo menos 500 empregados isentando as pequenas lojas.

Esta nova lei não proíbe as secções tradicionais, mas constitui um avanço e determina que a secção neutra deve exibir uma “selecção razoável” de artigos, “independentemente de terem sido tradicionalmente comercializados tanto para raparigas como para rapazes”.

Esta é uma vitória para a comunidade LGBTQIA+ que há muito que afirmam que os métodos tradicionais de Marketing baseados nos tons cor-de-rosa e azuis não tem razão lógica, estão desactualizados e pressionam as crianças a conformarem-se com os estereótipos de género, o que é difícil para algumas crianças.

O deputado Evan Low, democrata de San José, autor do projecto de lei, disse estar “incrivelmente grato” a Gavin Newsom por ter assinado o projecto de lei, tendo este sido inspirado pela filha de um dos seus funcionários com 10 anos e que perguntou à sua mãe porque razão alguns artigos estavam “fora dos limites” para ela só porque era uma menina.

Low afirma que “Temos de parar de estigmatizar o que é aceitável para certos géneros e deixar as crianças serem crianças. (…) A minha esperança é que este projecto de lei encoraje mais empresas em toda a Califórnia e nos EUA a evitar reforçar estereótipos prejudiciais e ultrapassados”.

 

Marta Pimentel Santos