Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Cara Trancada: "Há mulheres que nunca se masturbaram e encaram a masturbação como algo errado"

cara trancada imagem.jpg

“Cara Trancada” é Carolina Lourenço, ilustradora freelancer e designer gráfica. Começou este projecto ainda como estudante de Design Gráfico na ESAD de Caldas da Rainha e nunca mais parou de desenhar maminhas desde essa altura.

Aproveitámos para lhe fazer algumas perguntas sobre o seu trabalho e também a sua opinião sobre os temas que aborda.

 

dezanove: O que te levou a criar este projecto?

Carolina Lourenço: As minhas motivações foram sobretudo pessoais, mas mais tarde acabei por perceber que não era a única pessoa a sentir o mesmo.

Sempre senti que, por ser mulher, era tratada de forma diferente relativamente às minhas escolhas sexuais. Uma mulher é facilmente apelidada de indecente, imoral, sem-vergonha, obscena pelas suas escolhas amorosas (ou até falta delas). Sinto que esse medo do que os outros pensam de mim enquanto mulher me condicionou bastante até uma certa idade, e até hoje por vezes me deparo a ter pensamentos desses. Sempre reparei nessa dualidade entre o homem e a mulher, e a Cara Trancada surgiu como uma desconstrução desses dogmas.

Além disso, sempre me interessei pela sexualidade e as relações humanas, e esse tem sido o meu maior foco ultimamente.

 

Porque é que (ainda) faz sentido ser feminista?

Faz sentido na medida em que, teoricamente, apesar de (quase) todxs sermos iguais, não o somos realmente. Ainda há mulheres a receber menos que o colega homem que faz o mesmo trabalho, ainda há violência de género contra a mulher e homens que pensam que és propriedade deles. Ainda há restrições sociais, sobre assuntos que nem deviam ser questão, e discriminações sobre géneros e orientações sexuais.

 

Qual é a grande luta do feminismo nos dias de hoje?

Eu diria que, na nossa realidade ocidental, talvez os casos de violência de género e assédio sejam os mais urgentes de combater.

 

Achas que ainda há muitos tabus em torno do tema masturbação feminina?

Infelizmente sim. Ainda é visto como algo que só o homem pode fazer. É quase como se o prazer fosse proibido na mulher.

Quando penso que isso não é tabu, relembro-me que vivo na minha bolha em que só olho para o meu pensamento e para pessoas que até têm uma boa relação com a sua sexualidade. Mas é muito fácil sair dela e conhecer pessoas (especialmente mulheres) que nunca se masturbaram e encaram a masturbação como algo errado, ou simplesmente não têm curiosidade (não confundir com assexualidade). Já tive várias conversas com várias jovens raparigas que acham que uma mulher que se masturba é porque está sozinha, ou sente-se feia. Ou não o faz porque tem umx parceirx e não sente necessidade por essa razão.

Já tive várias conversas com várias jovens raparigas que acham que uma mulher que se masturba é porque está sozinha, ou sente-se feia.

masturbação feminina

 

No mundo em que vivemos, em que estamos constantemente a ser bombardeadxs com tanta informação, planos de emagrecimento e juventude eternas, qual é o caminho para aceitarmos o nosso corpo? Será que é cada vez mais difícil?

Eu quero acreditar que é cada vez mais fácil. Porque cada vez há mais conteúdo bodypositive, e quer queiramos quer não, consumimos muita dessa informação através das redes sociais. Apesar de (ironicamente) abominar um pouco este nosso consumo "instagramático", que ao menos que nos deixemos influenciar pelas pessoas que passam as melhores e mais sensatas mensagens, de que somos corpos únicos e temos o direito de sermos amadxs de qualquer modo.

Mas apesar de eu querer acreditar que pode ser mais fácil hoje em dia, eu própria me vejo a ter as clássicas inseguranças de alguém que projecta os padrões da sociedade em si própria.

 

Ao longo do tempo do teu projecto, que tipo de feedbacks tens recebido? Sentes que as pessoas estão cada vez mais abertas aos temas que abordas?

Sim! Felizmente, o feedback tem sido maioritariamente positivo. Especialmente da parte de mulheres que me abordam com compreensão, e com mensagens de força, e sentem que o meu trabalho as toca e muda a sua perspectiva em relação ao sexo e ao auto-prazer. Também é bom receber mensagens de homens que mudam a sua perspectiva em relação ao prazer da mulher, e à mulher em si. Felizmente a Cara Trancada tem sido um núcleo de energia positiva.

 

Que mensagem tens para quem nos lê e foi/está a ser afectado por esta pandemia?

Muita força. Fiquem em casa se puderem, e quem não puder, obrigada e cuidado.

Abracemos esta altura de incertezas e questionemos a realidade e a "normalidade" que vivíamos até há uns meses. Aproveitemos para pensar, criar e contemplar. Penso que este sistema estava condenado à nascença e espero que estejamos perante um futuro mais verde e sustentável.

 

Podes seguir a o projecto no Instagram cara.trancada, caratrancada_ ou em www.caratrancada.pt

 

Sofia Seno