Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Este ano o Orgulho de Madrid será diferente

pride madrid.jpg

O Orgulho em Madrid vai ser comemorado a 3 de Julho em Madrid.

A manifestação terá um carácter reivindicativo  marcante a favor dos direitos das pessoas trans e, este ano, o Pride será realizado excepcionalmente sem carros alegóricos ou palco para eventos.

 

Sob o lema "Os direitos humanos não são negociados, são legislados: Lei Trans Já e abrangente", os activistas LGBTI+ em Espanha exigem a aprovação urgente de legislação que garanta a igualdade das pessoas trans, tal como já existe em Portugal.

A Federação Estatall de Lésbicas, Gays, Trans e Bissexuais (FELGTB), a COGAM, LGTB + Colectivo de Madrid e restantes entidades LGTBI que organizam o maior Orgulho LGTBI+ do país vizinho, decidiram após a reunião realizada esta segunda-feira com a Delegação do Governo em Madrid, que a manifestação do Orgulho se realizará daqui a um mês, ou seja, no sábado, 3 de Julho às 20:00 horas.

Uma celebração muito diferente de anos anteriores em que chegou a ser a maior em toda a Europa.

A marcha, que começará na rotunda Carlos V e terminará na Plaza de Colón, será, no entanto, muito diferente dos anos anteriores para garantir um Orgulho seguro e responsável: não haverá carros alegóricos nem palcos para concertos.

“Estamos cientes do quão frágil ainda é a situação de saúde, por isso, convocamos uma manifestação diferente das realizadas até agora, em que se pedirá responsabilidade aos cidadãos e que sejam respeitadas as medidas de segurança, distância social e uso de máscara. ”, Explica a Presidente da FELGTB, Uge Sangil.

A presidente do COGAM, Carmen García de Merlo, garante que “será um orgulho cheio de reivindicações porque, como já denunciamos em ocasiões anteriores, a pandemia, a ascensão da extrema direita e o aumento do ódio discurso agravaram as situações de vulnerabilidade já existentes entre a população LGTBI e, principalmente, entre as pessoas trans ”. “Não temos escolha a não ser sair e exigir que essa violência cesse e que sejam aprovadas soluções legislativas que nos protejam e restaurem nossa dignidade”, explica.

Assim, a manifestação será convocada sob o lema “Os direitos humanos não se negociam, estão legislados: Lei Integral Trans Já”, e com ela, os grupos continuarão a exigir a aprovação urgente de legislação que garanta o direito à autodeterminação de género das pessoas trans, entre outros direitos, num momento em que Espanha ainda debate a aprovação de uma lei já aprovada em Portugal. 

Como denunciam Sangil e García de Merlo, “depois de mais de um ano e meio de trabalho ainda não temos um Direito Transformativo Integral que garanta nossa igualdade jurídica e que sirva de escudo contra a violência que sofremos diariamente . " “Esta lei foi um compromisso do actual Governo e, no entanto, estamos perante um bloqueio ideológico gerado por este mesmo Governo, que impede a sua aprovação. Existem pessoas, alguns menores, que sofrem diariamente assédio e discriminação e não podemos mais permitir esta estagnação com base em argumentos que contradizem as recomendações da União Europeia e das Nações Unidas sobre os direitos humanos ”, defendem ambas as presidentes.

 

1 comentário

Comentar