Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Jup do Bairro actua em Lisboa (com vídeos)

Jup do Bairro musicbox

Jup do Bairro actua pela primeira vez em Portugal dia 24 de Abril no Musicbox, em Lisboa, ao lado de BADSISTA e Cigarra.

“Comovente”, “energética” e “envolvente” não são adjectivos suficientes para descrever a arte de Jup do Bairro, nem o seu impacto na cena actual brasileira. Artivista, rapper, compositora - e até apresentadora de televisão ao lado da companheira de todas as horas Linn da Quebrada - Jup do Bairro começou desde os 13 anos a exteriorizar as dores, as alegrias e todas as vivências através da música e da escrita. Tenha sido ao lado de Linn da Quebrada na criação do disco “Pajubá” (2017) ou de BADSISTA, com quem formou BAD DO BAIRRO, Jup é uma verdadeira artista “do presente e do agora”, tornando-o claro no lançamento do EP, “Corpo Sem Juízo”.

Com colaborações de Linn da Quebrada, Deize Tigrona, Rico Dalasam, Mulambo e Pininga e produção de BADSISTA, entre outros nomes, “Corpo Sem Juízo” é um manifesto de autoconhecimento feito para ser ouvido e para que a artista se possa ouvir a si mesma. É um trabalho que percorre cantos diferentes da identidade de Jup do Bairro, em temas e em influências - é o caso da faixa “O Corre”, onde nos remete para os tempos de escola; “foi só do, ré, mi, fa, só, lamento e eu era cdf, sentava lá na frente era bixinha e era crente, cê entende?” - ou da balada banhada em synths ao lado de “Luta Por Mim”, a faixa de remate do disco.

À artista de São Paulo junta-se BADSISTA, uma produtora que representa de forma incisiva a comunidade LGBTQ+ e periférica da cidade, tendo tido um papel fundamental no percurso criativo de Jup do Bairro. Desde o lançamento do primeiro EP em 2016, que BADSISTA produziu mixtapes especiais para rádios internacionais, e, um ano depois, ao lado de outras mulheres, lançou o colectivo BANDIDA, a fim de promover de uma forma democrática a igualdade de género dentro desta cena. 

Não sendo uma estranha à programação do Musicbox, Cigarra, ou Ágatha Barbosa, é DJ, produtora e label manager. Fez parte da cena underground de São Paulo assim como na formação original da conceituada Voodoohop, há mais de 10 anos. Em 2016, lançou o EP “Límbica” e em 2018 “Ato” pela Tropical Twista Records, onde também foi manager e curadora da compilação Hystereofónica, com três edições e mais de 60 mulheres artistas envolvidas. Ágatha vive em Lisboa, onde criou projectos como Ancestrofuturismo, SOMA, a festa Carniçeira (que acontece no Musicbox), MEME e desenvolve o projecto de performance e música com Tita Maravilha, Trypas Corassão.

Os bilhetes para esta data têm o preço de 15€ e estão disponíveis em musicbox.seetickets.com