Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

Em Portugal e no Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

"Laws on us": o novo relatório global da ILGA World mapeia os retrocessos e os progressos nos Direitos Humanos LGBTI

foto: https://depositphotos.com/pt/

Os retrocessos estão a prejudicar o progresso alcançado em direcção à igualdade de direitos para as pessoas LGBTI, afirmou hoje a ILGA World, à medida que as vidas de lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersexuais continuam a estar no centro dos debates jurídicos em todo o mundo.
 
 
Publicada precisamente antes do início do Mês do Orgulho, a nova publicação emblemática da ILGA World, "Laws on Us", documenta a intensa quantidade de desenvolvimentos jurídicos que afectaram as comunidades com base na sua orientação sexual, identidade de género, expressão de género e características sexuais entre Janeiro de 2023 e Abril de 2024 em todos os 193 países membros da ONU, várias entidades não membros da ONU e numerosas jurisdições subnacionais.
 
“As nossas comunidades celebraram vitórias importantes durante os últimos dois anos”, disse Lucas Ramón Mendos, gestor de investigação da ILGA World e principal co-autor do livro "Laws on Us". “E, no entanto, a resistência e a depreciação materializaram-se em quase todo o lado.”
 
Até à data, um terço do mundo continua a criminalizar actos sexuais consensuais entre pessoas do mesmo sexo: 60 Estados-membros da ONU por lei e mais 2 de facto. Embora três Estados-membros da ONU (Singapura, Maurícias e Domínica) e um não membro da ONU (Ilhas Cook) os tenham descriminalizado desde o início de 2023, têm surgido desenvolvimentos regionais regressivos. Durante o mesmo período, o Uganda impôs a pena de morte para algumas formas de actos sexuais consensuais entre pessoas do mesmo sexo e o Iraque codificou a criminalização da homossexualidade. Surgiram relatos de formas extremas de pena capital aplicadas ativamente no Afeganistão e no Iémen. Projectos de lei regressivos foram anunciados em pelo menos cinco Estados membros da ONU, e discussões para criminalizar ou agravar as penas ocorreram em mais quatro.
 
Paralelamente a estes retrocessos, também testemunhamos avanços positivos em muitas partes do mundo. Dezassete Estados permitem agora que as pessoas vejam o seu género reflectido nos seus documentos com base na auto-identificação a nível nacional. Apesar da escalada do movimento antigénero e dos retrocessos observados em muitas jurisdições, desde Janeiro de 2023 mais cinco Estados-membros da ONU adoptaram o reconhecimento legal de género com base no princípio da auto-identificação: Equador, Finlândia, Alemanha, Nova Zelândia e Espanha – juntamente com com o estado de Yucatán, no México. Os desafios aos requisitos cirúrgicos tiveram sucesso em diversos sistemas judiciais, particularmente no Leste Asiático.
 
Nove Estados-membros da ONU têm agora protecções nacionais contra intervenções desnecessárias e não consensuais em menores intersexuais, com o Chile, a Espanha e jurisdições como o Território da Capital Australiana e as Ilhas Baleares a juntarem-se à lista desde o início de 2023. No entanto, durante o mesmo período , a Rússia e vários estados dos EUA regrediram com leis que proíbem cuidados de afirmação de género e, ao mesmo tempo, promovem intervenções em menores intersexuais.
 
Num desenvolvimento preocupante, as leis que regulam o discurso ou restringem os espaços das organizações para defender os direitos de comunidades inteiras tornaram-se mecanismos cada vez mais proeminentes para a criminalização.
“Temos visto um aumento alarmante nas restrições à liberdade de expressão e associação”, confirmou o co-autor principal do Laws on Us, Dhia Rezki Rohaizad. “Isso resultou em censura, prisões e perseguições em muitos Estados membros da ONU.”
 
Nos últimos 16 meses, por exemplo, a Jordânia, o Quirguizistão e o Uganda implementaram formalmente disposições legais visando a chamada “promoção” da “homossexualidade”. A Bielorrússia começou a classificar conteúdos relacionados com a diversidade sexual e de género como “pornografia”, e a Rússia designou o “movimento LGBT internacional” como “extremista”.
 
“Em 2024, metade da população mundial irá às urnas eleitorais e os Estados estão a tentar restringir o espaço cívico para organizações não governamentais - em particular aquelas que abordam a diversidade sexual e de género”, disse Julia Ehrt, Directora Executiva da ILGA World . “Até mesmo falar sobre as nossas vidas em público está a tornar-se cada vez mais difícil num número crescente de Estados. Esta tendência é extremamente preocupante: a história mostrou-nos múltiplas vezes que os avanços que os nossos movimentos fizeram em todo o mundo estão muitas vezes apenas a uma eleição ou a uma recessão, longe de serem revertidos.”
 
A tensão entre os progressos reais ou potenciais e os retrocessos graves é visível também noutras áreas legislativas. Embora o número de Estados-membros da ONU que promulgam regulamentos contra as “terapias de conversão” continuasse a crescer, a “reabilitação” patrocinada pelo Estado fez incursões em África e avançou como política oficial na Malásia.
 
Os progressos na promulgação de nova legislação anti-discriminação permaneceram limitados, mas vários projctos de lei aguardam aprovação legislativa em vários países. O mesmo se aplica à legislação sobre crimes de ódio, incluindo a orientação sexual, a identidade e expressão de género e as características sexuais, e às disposições que sancionam o incitamento ao ódio, à violência e à discriminação pelos mesmos motivos.
 
No que diz respeito ao reconhecimento de casais do mesmo sexo, durante os últimos dezasseis meses, quatro Estados-membros da ONU (Andorra, Estónia, Grécia e Eslovénia) tornaram a igualdade no casamento uma realidade, e o Nepal emitiu uma ordem provisória para facilitar tais uniões. A Bolívia e a Letónia legalizaram as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo e o Japão viu várias províncias seguirem o exemplo.
 
No geral, o relatório "Laws on us", que se poderia traduzir como "Leis Mundiais sobre Nós" da ILGA World pinta o quadro complexo de uma jornada difícil em direcção ao progresso para as pessoas LGBTI em todo o mundo.
 
“A nossa investigação continua a documentar cenários jurídicos, a facilitar o acesso à informação e a capacitar todos os que estão empenhados em trabalhar em conjunto para promover a igualdade em todo o mundo”, concluíram as co-secretárias-gerais mundiais da ILGA, Luz Elena Aranda e Tuisina Ymania Brown. “Todos os dias, as vidas das pessoas LGBTI são usadas como questões distrativas para distrair, mobilizar e dividir. Em tempos preocupantes como estes, é fundamental ter provas fiáveis ​​sobre as leis que afectam as nossas comunidades em todo o mundo e uma compreensão clara dos desafios que temos pela frente e que nos rodeiam.”
 
A primeira edição de "Laws on Us" analisa as publicações de referência anteriores da ILGA World. O vídeo abaixo ajuda o público a perceber um pouco mais sobre esta investigação da ILGA World e ajuda a descobrir como as leis afectam a vida das comunidades LGBTI em todo o mundo.
 

 

Foto: https://depositphotos.com/pt/