Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

"O Poder do Cão" e do streaming nos Óscares

IMG_20220209_160448.jpg

Ontem foram reveladas as nomeações aos Óscares de 2022 e o filme mais nomeado, com um total de 12 nomeações, foi “O Poder do Cão” de Jane Campion, filme que está disponível na Netflix Portugal.

A realizadora Jane Campion tem, sem dúvida, uma marca própria na sua filmografia a que já estamos habituados, contudo este 'O Poder do Cão' parece não ter muito rumo e não consegue fluir tão bem quanto eu esperava.

Este é daqueles filmes cuja narrativa é transmitida fortemente pelo cenário, envolvência e pelas prestações dos actores que enriquecem as suas personagens, mas se a sequência das acções não conseguir ligar bem todos estes elementos então muito fica pelo caminho e o impacto da mensagem não é o mesmo. Foi exactamente isto que senti aqui. Faltou um pouco mais, mas um pouco que faria uma diferença enorme no resultado final e na forma como esta história mexeria connosco.

Contudo é de louvar que um filme como este, em que toca em temas sexuais e sociais de forma muito subtil, desde masculinidade tóxica, o papel do homem e da mulher, interações sociais aceites e o que não pode ser feito ou visto, ou o que se faz na intimidade e às escondidas. Muitas pessoas vão certamente adorar este filme e ficar com uma impressão arrebatadora do mesmo, mas eu precisava de mais e de algo menos previsível.

Infelizmente para mim o que foi exibido ficou aquém e fiquei com a memória de um filme previsível e pouco estruturado, mas com uma boa realização e excelentes interpretações, com destaque claro para Benedict Cumberbatch.

leffest-the-power-of-the-dog-critica-1.jpg

Outro destaque do filme vai para o actor Kodi Smit-McPhee que foi nomeado na categoria de Melhor Actor Secundário aos Óscares e que representa no filme o lado mais feminino e frágil que qualquer pessoa pode ter e que serve de ponte de contraste entre subtileza e brutalidade, continuando no entanto numa área muito mística da sexualidade que pode ser desenvolvida de diversas formas e a perspicácia da sua actuação é realmente muito boa e relevante para o desenrolar da narrativa, principalmente numa temática mais LGBT.

3 em 5 estrelas 

 

 

André Marques

 

1 comentário

Comentar