Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Primeiro transgénero assassinado em 2020 nos Estados Unidos

81213809_10158128148316617_4249359476370440192_o-1

Dustin Parker, um homem transgénero de 25 anos, foi baleado e morto em McAlester, Oklahoma, durante as primeiras horas do dia de Ano Novo. Acredita-se que seja a primeira morte violenta conhecida de uma pessoa transgénero este ano nos Estados Unidos.

 

De acordo com o News on 6, o Departamento da Polícia de McAlester respondeu a um telefonema de uma testemunha que ouviu tiros por volta das 6h30 da manhã de quarta-feira. Os investigadores acreditam que Parker foi morto a tiros enquanto trabalhava como motorista de táxi. Nenhuma detenção foi ainda feita. Os agentes do Departamento de Investigação do Estado de Oklahoma estão a ajudar a polícia local na investigação.

Parker, um empresário e activista LGBTI, deixa esposa e quatro crianças. Foi iniciado um levantamento de fundos no Facebook para arrecadar dinheiro para a família de Parker após a sua morte. Uma vigília de velas e uma acção de beneficência decorreram no dia 3 de Janeiro no Fat Mary's, em McAlester.

No momento da sua morte, Parker estava a trabalhar para a Rover Taxi, a empresa de táxis que ele fundou em Setembro de 2019 com o seu amigo Brian West. De acordo com as redes sociais, a empresa oferecia boleias gratuitas para passageiros embriagados após as festividades de Ano Novo.

“A Rover Taxi está arrasada com a perda de um membro da nossa família Rover”, escreveu a empresa num comunicado, compartilhado no Dia de Ano Novo. “Dustin era um amigo constante, um marido e pai incrível e generoso. Ele amava ferozmente, trabalhava incansavelmente e ganhava vida com tanta esperança e entusiasmo que a sua presença iluminou todas as nossas vidas.”

Parker também foi membro fundador do McAlester Chapter of Oklahomans for Equality, um grupo local de advocacia LGBTI. No dia 2 de janeiro, a organização colocou a bandeira transgénero a meia-haste em memória de Parker.

 

 

Embora os motivos do assassinato de Parker ainda não sejam conhecidos, a sua morte é sintomática de uma epidemia maior de violência contra pessoas transgénero, nos Estados Unidos e no mundo. De acordo com a equipa da Trans Respect Versus Transphobia Worldwide, pelo menos 331 pessoas transgénero, ou percebidas como tal, foram mortas por violência transfóbica entre Outubro de 2018 e Setembro de 2019, com um número desproporcionalmente elevado de vítimas mulheres transgénero.

O colectivo Moms Demand Action for Gun Sense in America, de Oklahoma, também lamentou a morte de Parker. "Dustin Parker ainda deveria estar vivo", escreveu a voluntária Hannah Parker. “O meu coração está com a sua esposa, as suas quatro crianças, os seus amigos, colegas de Oklahomans pela Igualdade e todas as crianças e pessoas adultas transgénero, não-binárias e não conformes de género neste estado que ouviram essas notícias e senti-me um pouco menos segura. Dustin Parker viu o início desta década, mas deveria ter visto muito mais”, declarou.


Pedro Valente