Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Quando a minha filha verbalizou a sua orientação sexual comigo...

banner opiniao_ViraPimentel.png

Quando a minha filha verbalizou a sua orientação sexual comigo foi um sinal de respeito e amor.

Significou que ela assumiu e não desejou qualquer problema familiar, pelo contrário, só tentou ser honesta, desejando paz e bom ambiente, tentando o que poderia ser constrangimentos e momentos dolorosos no futuro. Confesso que nessa altura interpretei tudo ao contrário e sei que a magoei…

Primeiro que tudo, precisei de aceitar que a homossexualidade não era uma doença algo que para muitos é impensável, mas muitos pais ainda consultam médicos e psiquiatras ou terapias de conversão à procura de solução para esse suposto problema. Os pais costumam pensar que os seus filhos são resultado da educação, questionando-se onde erraram… talvez seja só o erro de criar expectativas demasiado elevadas sobre eles, expectativas estas que podem tornar-se fracassos dos próprios pais. É necessário ter a mente aberta e estar sempre disponível para aceitar todos os caminhos dos nossos filhos.

É frequente que quando um filho não corresponde às nossas expectativas, haja uma rotura, sobretudo quando se trata de um tema tão delicado como a sexualidade. Por mais preparado que se esteja, ou se considere estar, haverá sempre o choque inicial e por esse motivo as primeiras reacções não devem ser tidas em conta. Sei que as minhas não foram as melhores.

É frequente que quando um filho não corresponde às nossas expectativas, haja uma rotura, sobretudo quando se trata de um tema tão delicado como a sexualidade.

Outra preocupação constante entre os pais é a discriminação da comunidade LGBTQIA+ na sociedade. Os seus medos podem recair sobre o trabalho ou aceitação de ter um filho rotulado como gay ou lésbica ou com outros nomes que fazem parte do vocabulário popular, e intrinsecamente também o receio de serem apontados como pais dos mesmos, o que pode ser visto como uma falha grave enquanto pais ou um falhanço na educação. Também pesa o seu próprio medo das doenças sexualmente transmissíveis, não que estas sejam exclusivas da comunidade, e a possibilidade de pôr em causa a descendência familiar, o que também se prova errado.

É normal que os pais tenham medo das represálias que o seu filho possa sofrer, no trabalho, na escola, no grupo de amigos ou no sítio onde vive, sobretudo em meios pequenos. Contudo é importante apoiá-lo e defende-lo sempre que necessário, dos olhares maliciosos e preconceituosos que ainda existem, não julgando e tornando o problema ainda maior. Talvez o maior erro dos pais é tornar o problema maior em vez de serem os primeiros a mostrar o seu amor e apoio incondicional.

Em geral a pessoa demora sempre alguns anos a assumir-se como homossexual ou outra sigla da comunidade LGGBTQIA+ e é lógico que os pais precisem também de um tempo para digerir toda esta informação e novidade. Ao receber a notícia o mais comum é a surpresa, o desgosto ou o descrédito – “isso é só uma fase”, “tu não sabes o que queres” ou “não posso acreditar nisso”. Contudo, é necessário ter uma melhor compreensão e reflexão sobre o assunto e a maneira de o abordar, o que é mais exequível com o passar de algum tempo, palavra de mãe!

Talvez o maior erro dos pais é tornar o problema maior em vez de serem os primeiros a mostrar o seu amor e apoio incondicional.

Muitos pais tentam persuadir os filhos e fazê-los perceber que estão enganados e confusos, outros negam o tema e recusam-se a falar sobre o assunto, coisas que eu fiz e das quais me arrependo. Só depois de um tempo a conviver com a ideia é que realmente comecei a pensar a seu respeito. Contudo sei que alguns pais culpabilizam-se, outros acabam por aceitar sem qualquer problema, outros expulsam os seus filhos de casa, outros são os seus primeiros conselheiros.

Não hesites em dar a atenção e compreensão necessária ao teu filho nesta hora tão importante da sua vida. Lembra-te que este poderá sofrer com a tua reacção e por isso é importante o controlo e a ponderação. Vive melhor e em paz com toda a família pois o amor é universal.

Não aceitar a sexualidade da minha filha é não aceitar a minha própria filha… E tudo o que eu mais quero, é que ela seja feliz e livre, sem lhe faltar este amor que tenho para lhe dar.

 

Vira Pimentel

 

1 comentário

Comentar