Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Bandeiras e máscaras contra a homolesbobitransfobia em tempos de covid-19

Junta de Freguesia Misericórdia Lisboa Homofobia

A Junta da Freguesia da Misericórdia, em Lisboa, não deixou de assinalar o Dia Internacional contra a Homolesbobitransfobia, 17 de Maio, hasteando a bandeira do arco-íris na sede da freguesia e recorrendo a máscaras arco-íris feitas pela transformista Jenny Larrue, que trabalha habitualmente no Finalmente Club, fechado em tempos de covid-19.

Como se faz... um show de transformismo (reportagem fotográfica)

fotoreportagem finalmente club stefani duvet samantha rox luis campos da costa

A discoteca Finalmente celebrou, em 2016,  40 anos de existência. É neste espaço exíguo, no coração do Príncipe Real, que decorre o único espectáculo diário de transformismo em Portugal. Por volta das 3 e meia da manhã as cortinas abrem-se e ali se assiste a um espectáculo de artes cénicas que leva a audiência, noite após noite, ao rubro.

 

Moulinex, Rita Zukt, Nuno Lopes, MAG, artistas do Finalmente e Hélio Morais no Arraial Pride (com vídeo)

Arraial Lisboa Pride 2017.jpg

O programa do próximo Arraial Lisboa Pride já é conhecido. Do cartaz fazem parte nomes como Moulinex, Rita Zukt, Sindykatz, Hélio Morais, MissWonder e os coros Colegas e Pink Noise (Antuérpia).

Jenny Larrue estrela no vídeo “A Tal Tropical” dos Pista (com vídeo)

jenny.jpg

Os Pista acabam de lançar o videoclip “A Tal Tropical”, o terceiro single do álbum “Bamboleio”, que conta com a participação especial de Jenny Larrue, uma das protagonistas dos espetáculos do Finalmente (Lisboa). 

À 17ª edição, foram estas as reivindicações no Orgulho LGBTI de Lisboa (com vídeo)

Marcha_LGBT2016_Panorama Palco.jpg

É uma das marchas reivindicativas portuguesas com mais organizações presentes. Nem todas estas associações e colectivos dirigem o seu trabalho primordial junto de pessoas LGBTI, mas são unânimes na luta contra a discriminação e na defesa da igualdade. A marcha mais colorida da capital do país contou este ano com 21 organizações e ainda um colectivo recente que levou uma das maiores ovações da tarde: Colectivo de Mulheres Negras Lésbicas de Lisboa - Zanele Muholi (artigo em construção).