Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

"Stonewall é todas as histórias que são nossas"

António Fernando Cascais

O meu primeiro contacto com a revolta de Stonewall remonta aos anos de faculdade, em Coimbra, em 1979-80, quando comecei a ter acesso a publicações e associações estrangeiras que o mencionavam, sobretudo as francesas como a Masques – Revue des Homosexualités, e mais tarde o Gai Pied.

 

Emanuel Caires: "Começar a fazer activismo na Madeira não foi fácil"

Emanuel Caires.png

Para mim, a Revolta de Stonewall é uma referência e uma inspiração. Não só este episódio em específico, mas todas as pessoas que, principalmente depois da 2.ª Guerra Mundial, reagiram às agressões de que eram alvo diariamente, e às constantes violações de direitos humanos que atingiam a comunidade LGBTI+. Vejo Stonewall como o início do fim da repressão.

 

 

António Serzedelo: 50 anos de Stonewall e o activismo em Portugal

António Serzedelo.png

50 anos da Revolta de Stonewall, 28 de Junho 1969, marcam o início das lutas Gays, hoje chamadas LGBT+ pelos seus Direitos Civis e Humanos.

 

 

Noé João: "Ainda há pessoas que são oprimidas e invisibilizadas"

banner opiniao_Noé João.png

A  Revolta de Stonewall, do dia 28 de Junho de 1969, significa para mim o estalar do verniz relativamente a toda e qualquer tipo de violência e discriminação contra a população LGBTI+, arrastando consigo, a discriminação de outras minorias naquele contexto específico. Como foi o caso de Marsha P. Jonhson, uma mulher trans negra e activista, que esteve engajada na luta dos negros/negras LGBTI+, e que confrontou o sistema do patriarcado.

 

 

Cinquenta anos de orgulho

Sara Martinho.png

“Nunca compreendes realmente alguém

até que considerares as coisas desde o seu ponto de vista...”

― Harper Lee, Não matem a cotovia 

 

Junho de 1969, Nova Iorque. 

No bairro de Greenwich Village, o dia 28 de Junho e os dias que se seguiram mudaram o percurso das pessoas LGBT[IQ+] para sempre. Bom, para as décadas que se se seguiram, porque esta coisa dos direitos e da visibilidade levam uma eternidade a conquistar, mas vão à vida em meia hora.

 

Bullying: A minha colaboração com Susan Leurs no projecto ‘PESTEN’

banner opiniao_Miguel Martins_2.png

Envolvida principalmente em fotografia narrativa e documental, Susan Leurs é uma fotógrafa autodidacta holandesa. Enquanto criança, Susan foi vítima de bullying. Quando, anos mais tarde, começou a trabalhar na área da educação, tornou-se evidente para ela que o bullying continua a ser um problema muito sério. Por essa razão, decidiu fazer algo em relação a isso.

 

"Sou gay, mas sou homem". Mas o que é ser homem?

William Galvão.png

Ficar muito tempo dentro do armário hoje pode ser uma questão de escolha, pelo menos em alguns contextos brasileiros. Entendo que tem gente que precisa estar lá dentro pra poder viver em paz com a família e até pra manter certo conforto. É um pouco triste, mas tudo bem, é como uma amiga sempre diz: "cada um sabe o tamanho do seu armário". Sair dele é libertador. Falo por experiência própria. Mas que bom que hoje temos a opção de sair ou não dele.

 

 

35 e solteiro

miguel.png

Tenho 35 anos (quantos anos é isso em anos gay?) e continuo solteiro. A maioria das pessoas da minha idade já encontrou um parceiro de longa data, um marido ou uma esposa. Muitos já têm filhos. À medida que os anos passam, torna-se cada vez mais difícil evitar perguntas do género: quando é que casas? Como é possível ainda não teres encontrado alguém? Não sentes vontade de ter filhos? Inúmeras vezes usei desculpas como: estou demasiado ocupado com a minha carreira, por isso não tenho tempo para namorar; antes de assentar, quero viajar e conhecer o mundo; etc.

Será que nós encaixamos?

Sofia Seno Marta Santos dezanove.png

É cada vez mais comum ligarmos a nossa televisão e vermos um casal homossexual numa novela ou num anúncio de televisão. A novidade aqui é que agora isso é possível mesmo nos canais generalistas, onde outrora não havia este espaço.

"Girl" Should Have Been Interrupted

Alice Cunha.png

Olá, o meu nome é Alice. Sou uma mulher trans, e todos os anos morro um bocadinho por dentro com filmes que homens cis fazem sobre mulheres trans. Este ano foi o “Girl”, de Lukas Don’t. Dhont. Desculpem a gralha. Partilho com vocês aqui alguns pensamentos sobre este filme, que vi no Queer Lisboa 22. Entretanto o festival já acabou, no passado sábado dia 22, e o filme até foi premiado (falarei disso adiante). Normalmente estas coisas deviam ser publicadas assim logo, no dia seguinte à projecção, pimbas, mediatismo, discussão, isso tudo. Mas espero que me desculpem o atraso, enquanto pessoa directamente envolvida na temática, a raiva e a dor que este filme me causaram dificultaram a escrita deste artigo. Mas pronto, mais vale tarde que nunca. Aqui vai!

 

A vitória dos direitos dos homossexuais na Índia é uma vitória global

Diogo Vieira da Silva e Guru Praksh.png

História foi feita, ou porventura corrigida, na semana passada pelo Supremo Tribunal da Índia, quando uma decisão Constitucional descriminalizou a lei arcaica nº377 do Código Penal indiano. Existem muitas dimensões morais, éticas e sociais com esta proclamação, que foram discutidas por vários intervenientes.