Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

“Toy Boy”: algumas boas razões para ver esta série

ToyBoy2.jpg

“Toy Boy” chegou em tempo de quarentena e rapidamente torna-se uma das séries mais vistas na Netflix.

A história fala-nos de Hugo Beltran (Jesus Mosquera), um stripper que passou sete anos preso, e que, após conquistar a sua liberdade, procura deslindar toda a verdade e provar a sua inocência. O conceito é simples, mas há outros ingredientes que completam a trama: os outros toy boys (colegas de Hugo), Triana (Maria Pedraza), uma jovem advogada que também procura a verdade e que vem contrastar com a luta de dinheiro e poder entre duas famílias ricas, cujas cabecilhas são por um lado Macarena (Cristina Castaño), ex-amante de Hugo e mulher de Philipe (que Hugo teria alegadamente assassinado) e Benigna Rojas (Adelfa Calvo), que tenta utilizar todos os trunfos para arrecadar mais negócios e dinheiro.

 

Os factores diferenciadores

Existe uma dinâmica entre feminino/masculino muito interessante em “Toy Boy”. Não que seja totalmente original, mas acaba por ser uma perspectiva interessante. A personagem de Hugo Beltrán, apesar de ser a de um homem musculado e forte fisicamente, é dominada em primeira instância pela sua amante Macarena, uma mulher determinada, que não quer deixar o marido por esta “aventura” (situação que está tipicamente invertida), mulher esta que controla totalmente os seus dois irmãos, a casa e a empresa. Sexualmente activa e livre de preconceitos, desenvolvemos um misto de amor-ódio por esta personagem. Surge também a advogada, personagem que apesar da sua jovialidade, guia o stripper na busca da verdade e acaba por salvá-lo de várias situações. Outra mulher, Benigna Rojas, terá um papel crucial no desenrolar da trama e que é também, e mais uma vez, uma mulher no comando e de poder.

Há ainda uma objectificação do homem. Por vezes, os toy boys expressam o seu descontentamento sobre sentirem-se “usados”. Portanto aquela ideia da mulher enquanto ser frágil e fraco é completamente colocado de parte, o que dá uma dimensão interessante à trama.

jairo andrea.jpg

Paralelamente assistimos à história de amor entre Jairo (Carlo Costanzia), um dos toy boy e Andreas (Juanjo Almeida), filho de Macarena. Percebemos que a personagem Andreas tem mais para contar e que está envolvida em mistério, e vamos percebendo a sua importância na trama à medida que vamos avançando nos episódios. Estas duas personagens vêm de mundos diferentes e, devido à sua densidade psicológica e à sua relação misteriosa, que embora transpareça alguma tensão sexual, explora acima de tudo valores como a amizade, o carinho e a dedicação, é a mais bonita história de amor de toda a série, ao contrário do que seria de esperar, visto nenhum deles ser apontado como personagem principal. 
Vê aqui o trailler de promoção de “Toy Boy”.

Sofia Seno