Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Três filmes LGBTI para ver no DocLisboa (com vídeos)

doclx.jpg

O maior festival do país dedicado ao cinema documental arranca esta quinta-feira em Lisboa. Fica a conhecer três filmes de temática LGBTI que vale a pena ver.

 

"The Unicorn", de Isabelle Dupuis e Tim Geraghty (EUA)

Peter Gruzdien, a força musical solitária por trás do primeiro álbum psicadélico de música country abertamente homossexual, The Unicorn (1974), e a sua irmã gémea esquizofrénica, Terry, partilham uma casa degradada com o pai em Queens, Nova Iorque. Peter testa as suas novas composições num bar de karaoke, enquanto Terry procura um marido. Quando um velho amigo ameaçador vem viver com eles, Peter começa a recear perder o único lar que alguma vez conheceu. Será exibido no dia 26 de Outubro às 22h15 e no dia 28 de Outubro às 18h no Cinema Ideal.

 

"Yasirée Trance", de Rocío Barbenza (Argentina)

Malena é a primeira rapariga transexual da pequena ilha de Apipé, situada em frente da poderosa central hidroeléctrica de Yacyretá. Entre ambas, passa o rio e lendas sobre a origem da Terra. Navegando entre várias histórias sobre a ilha e a central, Yasirée Trance convida à criação de uma nova cosmogonia mutante. Tal como Malena, o filme declara-se transgénero e interpela várias narrativas possíveis procurando a sua própria mitologia. Passa nos dias 22 e 25 de Outubro, às 22h15, no cinema Ideal.

 

 

"Yours in Sisterhood", de Irene Lusztig (EUA)

Um filme performativo e participativo, inspirado pela variedade e complexidade de cartas enviadas nos anos 1970 ao editor da Ms., a primeira revista feminista de tendência dominante dos EUA. Centenas de desconhecidos de todo o país foram convidados a ler em voz alta e a responder a essas cartas, escritas por mulheres, homens e crianças de contextos diferentes. Como um todo, as cartas parecem uma enciclopédia dos anos 1970 e do movimento feminista. Passa a 22 de Outubro às 18h45, no São Jorge, e no dia 24 às 10h30, na Culturgest.