Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Tribunal de Justiça da UE reconhece relação de pais do mesmo sexo e dos seus filhos em toda a União Europeia 

pexels-josh-willink-2701598.jpg

Num acórdão histórico, o Tribunal de Justiça da União Europeia decidiu que uma criança e as suas mães do mesmo sexo devem ser reconhecidos como uma família, a criança deve receber um passaporte búlgaro e a família deve ter liberdade de circulação em todos os membros Estados da União Europeia. 

Hoje, 14 de Dezembro, o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJEU) decidiu que, se um estado membro da UE reconhece uma relação parental entre uma criança e seus pais, então todos os estados membros o deveriam fazer, a fim de dar à criança o direito à liberdade de movimento. O caso ‘Stolichna Obshtina, Rayon Pancharevo’ surgiu quando a um casal do mesmo sexo foi recusado uma certidão de nascimento na Bulgária para sua filha, que nasceu em Espanha. As autoridades búlgaras afirmaram que o casal, cujo um dos membros é de nacionalidade búlgara, não poderia ser registado como Pai nem Mãe na certidão de nascimento da criança, deixando a família em um limbo jurídico. Kalina Ivanova *, nascida na Bulgária, e Jane Jones *, nascida em Gibraltar, são as mães de Sara, que nasceu em Espanha em 2019. De acordo com a legislação espanhola actual, a criança não poderia adquirir a cidadania espanhola porque nem Kalina nem Jane são cidadãs espanholas. A cidadania britânica também foi negada à criança porque Jane nasceu em Gibraltar, de descendência britânica e, de acordo com a Lei da Nacionalidade Britânica (1981), não pode transferir a cidadania para sua filha. Portanto, Kalina solicitou a cidadania búlgara para sua filha. As autoridades búlgaras rejeitaram um pedido de cidadania da criança, o pedido, argumentando que uma criança não pode ter duas mães, e recusou-se a emitir uma certidão de nascimento em que as mães sejam duas pessoas do mesmo sexo. Sara foi, portanto, privada da cidadania búlgara e, portanto, europeia, e estava em risco de apatridia. Actualmente, a criança não possui documentos pessoais e não pode deixar a Espanha, país de residência habitual da família. A falta de documentos restringe o acesso de Sara à educação, saúde e segurança social em Espanha. Na Bulgária, os casamentos do mesmo sexo e as parcerias registadas do mesmo sexo não são reconhecidos. Hoje, o TJUE decidiu que é contrário aos direitos fundamentais garantidos pelos artigos 7º e 24º da Carta que esta criança seja privada da relação com uma das suas mães no exercício do seu direito à livre circulação ou para o exercício desse direito a ser tornada impossível ou excessivamente difícil com o fundamento de que as suas mães são do mesmo sexo. A decisão afirma que as autoridades búlgaras são obrigadas a emitir um bilhete de identidade ou um passaporte para Baby Sara, que todos os outros Estados-Membros da UE são obrigados a reconhecer.

Saudando a decisão, as mães de Baby Sara disseram: “Estamos entusiasmadas com a decisão e mal podemos esperar para conseguir a documentação para Sara e, finalmente, podermos ver nossas famílias depois de mais de dois anos. É importante para nós sermos uma família, não só em Espanha, mas em qualquer país da Europa e finalmente isso pode acontecer. Este é um passo à frente há muito esperado para nós, mas também um grande passo para todas as famílias LGBT na Bulgária e na Europa. “Muito obrigado à organização LGBT Deystvie na Bulgária e especialmente à nossa representação legal, Denitsa Ivanova e Veneta Limberova, por lutar por nossa família e inúmeras outras pessoas em nossa posição. Obrigado também a todas as pessoas e organizações que nos apoiaram neste processo: ILGA-Europe, NELFA, ACCEPT Roménia e muitos outros. ” De acordo com Arpi Avetisyan, Chefe de Litígios da principal organização de direitos LGBTI da Europa, ILGA-Europe, que interveio no caso: “Estamos muito satisfeitos com o julgamento do CJEU esta manhã. 

Este acórdão dá aval legal às palavras da Presidente da CE, Ursula von der Leyen DL, proferidas durante o discurso sobre o Estado da União do ano passado: "Se uma pessoa é pai num país, é pai em todos os países". O acórdão trouxe o esclarecimento há muito aguardado de que a parentalidade estabelecida num Estado-Membro da UE não pode ser rejeitada por outro, sob o pretexto de proteger a “identidade nacional”. Esta é uma verdadeira prova de que a UE é uma união de igualdade e esperamos ver as famílias do arco-íris gozando do seu direito à liberdade de circulação e outros direitos fundamentais em pé de igualdade com todas as outras pessoas. É importante que o julgamento seja implementado em breve, não apenas para a bebé Sara e sua família, mas também para outras famílias que enfrentam lutas semelhantes em toda a UE. ” 

 

* Por uma questão de privacidade os nomes desta notícia foram alterados.

 

 Fonte: ILGA-Europe