Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

A primeira política portuguesa que assume ser homossexual

Graça Fonseca.jpg

Graça Fonseca, secretária de Estado da Modernização Administrativa, deu uma extensa entrevista ao Diário de Notícias. Fonseca, uma das responsáveis pelo Simplex e pelo Orçamento Participativo de Portugal aborda, entre outros, o tema da discriminação. Na entrevista, conduzida por Fernanda Câncio, Graça Fonseca assume ser homossexual e explica o por quê da importância desta afirmação política.

“Acho que isso é importante [as pessoas afirmarem publicamente que são homossexuais] (...) acho que se as pessoas começarem a olhar para políticos, pessoas do cinema, desportistas, sabendo-os homossexuais, como é o meu caso, isso pode fazer que a próxima vez que sai uma notícia sobre pessoas serem mortas por serem homossexuais pensem em alguém por quem até têm simpatia. E se as pessoas perceberem que há um seu semelhante, que não odeiam, que é homossexual, isso pode fazer que a forma como olham para isso seja por um lado menos não querer saber se essas pessoas são perseguidas, por outro lado até defender que assim não seja.”

E se as pessoas perceberem que há um seu semelhante, que não odeiam, que é homossexual, isso pode fazer que a forma como olham para isso seja por um lado menos não querer saber se essas pessoas são perseguidas, por outro lado até defender que assim não seja.

A importância da empatia para com as pessoas LGBT é bastante sublinhada pela militante do PS e ex-vereadora da Câmara Municipal de Lisboa: “Acho que as leis não bastam para mudar mentalidades, não bastam para mudar a forma como olho para o outro, que aquilo que muda a forma como olhamos para os fenómenos tem muito que ver com empatia [...] se a virem como pessoa, como ser humano, isso pode de alguma maneira, nem que seja inconscientemente, mudar a forma como veem algum tipo de fenómeno.”

Graça Fonseca, de 46 anos, continua: “Estou na política há 17 anos e tenho-me mantido sempre com um nível de notoriedade relativamente baixo. […] É indiferente se estou com um homem ou com uma mulher. Não altera em nada a forma como faço o Simplex, como faço o orçamento participativo.”

Questionada sobre a importância de outras pessoas darem o mesmo passo de visibilidade, Graça Fonseca é clara: “ Acho que era importante. Mas acho que ninguém tem essa obrigação. […] Mas, mais do que gostar que houvesse outras pessoas a fazer o mesmo, acho que seria importante”.

Em 2017 Graça Fonseca é a primeira mulher na política portuguesa a assumir publicamente a sua orientação sexual depois de outros políticos como Miguel Vale de Almeida, Alexandre Quintanilha e de Jorge Nuno Sá o terem feito nos últimos anos.

 

Podes aceder à entrevista completa aqui

 

3 comentários

Comentar