Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Lisboa sai à rua com Orgulho na 17.ª Marcha LGBT (com vídeo)

Marcha LGBT Lx 2015.jpg

É já amanhã, Sábado, 18 de Junho, às 17h, que se realiza a 17.ª Marcha do Orgulho LGBT de Lisboa. A organização deixa o apelo a que toda a gente participe e que não fique no passeio a observar com receio de se juntar.

"Saímos à rua em Lisboa pela 17.ª vez para marchar com cada vez mais orgulho em transcender o género. As pessoas lésbicas, gays, bissexuais e trans, conhecem bem a violência desse sistema de regras e de papéis rígidos, um sistema de binarismos, proibições e punições que nos limita e que nos quer dizer quem somos, o que somos, como nos devemos expressar ou com quem e como nos devemos relacionar. Saímos à rua para mostrar que recusamos a repressão da diversidade de género e que vamos continuar a transcender a opressiva norma binária porque celebramos todas as nossas diferenças!", pode ler-se no comunicado.

 

Depois do que aconteceu em Orlando, a organização também pretende que saíamos à rua para “recusar todas as violências que os papéis de género continuam a impor: os crimes de ódio que são cometidos contra nós e que continuam a acontecer em silêncio, o bullying nas escolas mas também em casa ou no local de trabalho, os suicídios de quem sofre por se afirmar ou por não se poder afirmar.”.

O assassinato de Gisberta há 10 anos no Porto também não foi esquecido pela organização: “Saímos à rua porque é urgente dar prioridade aos direitos das pessoas trans.”, pois “TRANScender o género é despatologizar as identidades trans e privilegiar a autonomia de todas as pessoas trans na definição de si próprias, quer na lei, quer na saúde, quer na sociedade. É afirmar a necessidade de incluir a identidade e a expressão de género no artigo 13.º da Constituição [Portuguesa].”.

 

O apelo tem vindo de vários sítios e figuras. Hoje, 17 de Junho, a jornalista Fernanda Câncio, num artigo de opinião do Diário de Notícias, escreve: "É contra estas mortes (…) que se fizeram os gay pride. Pride de orgulho, mas também de exibição, de grupo de gente que dá nas vistas. É mesmo para isso, para sermos vistos, que marchamos.”. Também o cantor Zé Manel apela à participação na Marcha. O apelo é agora mais do que nunca, para que todas as pessoas compareçam e manifestem o que são e como são.

 

 

Fotografia: 16.ª Marcha do Orgulho LGBT de Lisboa, 2015, álbum de fotos aqui.

Acompanha a  17.ª Marcha do Orgulho LGBT de Lisboa nas redes sociais do dezanove: FacebookTwitterInstagram através da hashtag #orgulho2016

 

Luís Veríssimo