Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Três críticas sobre o filme “Chama-me Pelo Teu Nome” (com trailer)

Chama-me Pelo Teu Nome.png

O mais recente filme de Luca Guadagnino, “Chama-me Pelo Teu Nome” (“Call Me by Your Name”, 2017), é uma das estreias mais aguardadas da temporada de prémios. Ainda não foram revelados os nomeados aos Óscares e é já apontado como um dos favoritos, podendo-lhe estar reservadas três a cinco nomeações. Alguns colaboradores do dezanove.pt viram o filme antecipadamente e apresentam, de seguida, as suas críticas.

 

Sinopse: No norte da Itália, nas férias de Verão de 1983, Elio, um jovem de dezassete anos, começa um relacionamento com Oliver, um estudante do seu pai, com quem inicia e descobre a sua sexualidade emergente. O primeiro amor, a sexualidade, a herança judaica e a sedutora paisagem italiana são os ingredientes principais desta história.

 

Chama-me Pelo Teu Nome_1.jpg

Entre pêssegos e sumos de alperce, Guadagnino é um realizador soberbo, desde “Eu Sou o Amor” (“Io Aono l'Amore”, 2009) que é visto como um dos cineastas italianos a ter em conta. Com este “Chama-me Pelo Teu Nome”, dá-nos um novo romance clássico, mesmo com a história a decorrer nos anos de 1980. É uma película extremamente inteligente e viva com uma química muito forte entre o par de actores que dá vida a Elio e Oliver, Timothée Chalame e Armie Hammer, sem armações, nem pretensiosismos, numa tentativa de exploração da sexualidade sem cânones ou barreiras. Sem nos apercebermos, a película leva-nos numa direcção e depois dá-nos outra coisa completamente diferente, com um determinado diálogo entre pai e filho soberbo e inteligente e a já famosa cena do pêssego a surpreender a audiência. Vale mesmo muito a pena vê-lo (mais do que uma vez, até).

4 estrelas em 5

Luís Veríssimo

 

Chama-me Pelo Teu Nome_2.jpg

A relação entre Elio e Oliver começa por ser uma admiração que se transforma num romance sem lógica. Sabe a insonso e sente-se a falta de alguma coisa. O próprio Oliver é uma personagem mal construída e explorada onde ficamos sem perceber quem ele é ou que vivências teve. Ao contrário de Elio, que nos é possível acompanhar ao longo do filme, estando sim bem construído. A forma como este último vive a sua sexualidade é interessante, mesmo que seja num modo frenético, e que nos é frequente aos 17 anos - uma altura em que questionamos a nossa sexualidade, nos tornamos um pouco saltimbancos, em que procuramos o nosso espaço e onde nos sentimos melhor. O pai de Elio, Mr. Perlman, é particularmente aliciante, sendo uma pessoa inteligente e com os melhores e mais surpreendentes diálogos, sem que tal se previsse.

O facto de o final não ser o típico drama do “morre/desaparece sem explicação/mata” é inteligente e perspicaz. Porém, não deixa de ser triste por ver alguém sucumbir à pressão social e vir a viver uma vida, provavelmente, não tão feliz ou preenchida, mesmo que não venha a ser má. Acima de tudo, gostando ou não, a história do filme fala-nos sobre Elio, do seu primeiro amor, da forma como se descobre e de como os seus pais reagem. Se não existisse Oliver, que me parece menos conseguido, e existisse um Oscar, talvez o filme estivesse melhor.

3 estrelas em 5

Marta Santos

 

Chama-me Pelo Teu Nome_3.jpg

Sim, é um filme inteligente. Acontece o que não se estava à espera. No início, o espectador é levado a pensar que, de entre os dois elementos do casal, o menos assumido seria o Elio e o mais desenvolto seria Oliver, o mais velho. Ficamos com receio, desde o início, da reacção dos pais de Elio. Afinal, este último é o mais assumido. E Oliver, apesar de assumir a Elio que o que viveram é único, acaba por escolher outro rumo para a sua vida. A película não vive de finais românticos, nem acaba com alguém a matar-se por amor. É um retrato de uma realidade que acontece a muitas pessoas. Finais não felizes não me assustam e ainda são mais inteligentes por isso mesmo. A descoberta da sexualidade, tanto pelo sexo feminino como pelo sexo masculino é real, não coloca os géneros e as pessoas em caixas. É um filme aberto, livre e bonito. As pessoas surpreendem-nos e por vezes de onde menos se espera. É verdadeiro e acreditamos realmente naquela história, assim como naquele desfecho. Destaque para a estética (europeia), para a luz e para a fotografia. Não é perfeito porque é como a vida que também não é perfeita.

4 estrelas em 5

Sofia Seno

 

 

3 comentários

Comentar