Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Vittoria Schisano é a primeira mulher transexual a ser capa de uma Playboy

Vittoria Schisano.jpg

Depois de, em Novembro de 2015, a revista de Hugh Hefner ter anunciado que iria deixar de publicar fotografias de mulheres nuas, a Playboy não deixa de surpreender. Pela primeira vez na sua história, uma mulher transexual é capa de uma das suas revistas. A actriz italiana Vittoria Schisano, de 32 anos, faz a capa deste mês de Fevereiro da Playboy Itália.

Playboy Itália Fev 2016_1.tif

Vittoria Schisano nasceu Giuseppe em Pomigliano D’Arco, Nápoles. Mudou-se para Roma ainda jovem, em 1998, para prosseguir os estudos. Após terminar os estudos em representação, estreou-se no telefilme “Mio Figlio” (2005) na Rai Uno. A televisão pública italiana decidiu transformar o argumento numa mini-série, “Io e mio figlio – Nuove storie per il commissario Vivaldi” (2010). Ainda como Giuseppe, Vittoria encarna a mesma personagem, tendo obtido bastante sucesso. Em 2011, afirma publicamente que se irá submeter a uma mudança de reatribuição de sexo porque não reconhece a imagem do homem que vê. Confessou na altura que a parte mais complicada foi explicar à sua mãe, mas esta acabou por compreendê-la.

Playboy Itália Fev 2016_3.jpg

De então a 2015 submeteu-se às várias cirurgias que um processo desta natureza acarreta. No final do mês de Março completou o processo ao fazer a sua vaginoplastia. Vittoria descreveu no seu Facebook todo o processo como "A dor mais bela do mundo", acrescentando: "Cortei com o passado e com o que resta da minha vida anterior. Cumprimento-me a mim mesma e a Giuseppe, que ainda está em mim. Agora posso gritar que nasceu Vittoria, grito a plenos pulmões, não só para mim, mas para todos aqueles que não podem fazê-lo". "Se não gosta da sua vida... mude-a", disse. Concluindo que "’Vittoria’ foi o nome que escolhi, um nome que carrega consigo um significado que diz tudo, finalmente sinto-me viva, como uma adolescente que enfrenta a vida pela primeira vez e observa tudo com entusiasmo, paixão e alegria de viver”.

Não é a primeira vez que uma revista italiana traz à capa a visibilidade LGBT de forma positiva. O ano passado a revista desportiva SportWeek colocou na sua capa dois jogadores de rugby a darem um fogoso beijo

 

Fotos: Playboy Itália

Luís Veríssimo

6 comentários

Comentar