Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

110 empresas e organizações já assinaram a Carta Portuguesa para a Diversidade

 

diversidade.jpg

O Grande Auditório do ISCTE, em Lisboa, recebe a 22 de Maio, o primeiro Fórum Nacional para a Diversidade, com o objectivo de promover a Carta Portuguesa para a Diversidade. Este documento foi lançado em Março de 2016 e conta já com mais de 110 organizações signatárias de vários os sectores empresariais.

 

A Carta descreve medidas concretas que podem ser tomadas para promover a diversidade e a igualdade de oportunidades no trabalho independentemente da origem cultural, étnica e social, orientação sexual, género, idade, caraterísticas físicas, estilo pessoal e religião. No dia do Fórum será apresentado o Selo da Diversidade, que irá premiar as organizações com as melhores práticas no reconhecimento, respeito e valorização da diversidade no local de trabalho. Todas as organizações poderão candidatar-se até 22 de Julho, devendo os resultados ser conhecidos publicamente numa gala prevista para dia 10 Novembro.

Eduardo Cabrita, ministro Adjunto, irá presidir à abertura do evento. Já o encerramento ficará a cargo da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Catarina Marcelino, e da secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes.

Iniciativa da União Europeia (UE), a Carta para a Diversidade e tem sido adaptada pelos países-membros da UE às suas realidades, tendo como objectivo encorajar empregadores a implementar e desenvolver políticas de promoção da diversidade. “Passado um ano do lançamento da Carta Portuguesa para a Diversidade, considerámos que estava na altura alargar esta discussão. Queremos elevar e melhorar o debate sobre a diversidade e a inclusão em Portugal, fazendo com que todas as pessoas se sintam acolhidas e vejam o seu potencial valorizado dentro das organizações, simultaneamente tomando nas suas mãos a responsabilidade por um ambiente mais inclusivo”, explica Carla Calado, gestora de projetos na área da inclusão económica da Fundação Aga Khan e membro da comissão executiva da Carta.