Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Activistas LGBT reagem ao caso do terapeuta americano que queria converter gays

terapeuta Richard Cohen reconversão gay.jpg

A vinda a Lisboa do terapeuta que promete a conversão de homossexuais foi um dos assuntos da semana em Portugal. Só no Facebook a notícia do dezanove foi partilhada mais de 100 vezes e vista por mais de 60 mil pessoas.

Richard Cohen foi convidado pelo Centro de Recursos Pessoa, Família e Sociedade (CRPFS) . A conferência obteve eco no site do Patriarcado de Lisboa, que entretanto removeu a nota de divulgação.

Contactado pelo dezanove.pt, José Leote, responsável pela associação dos homossexuais católicos Rumos Novos declara: "a mensagem difundida pelo conferencista é de todo contrária à própria mensagem de Cristo, mas mais num momento em que o próprio Papa Francisco parece apostado em cicatrizar muitas das feridas da Igreja, onde necessariamente se encontra o tratamento pouco fraterno, para sermos eufemísticos, que tem sido dado às pessoas homossexuais católicas".

A associação, que cumpriu esta semana sete anos de existência, faz saber que realiza encontros mensais no Porto, Lisboa e Algarve onde acolhem todos os homossexuais católicos na sua aceitação pessoal e na caminhada de reconciliação entre a pessoa e a sua fé, procurando partilhar e demonstrar não haver contradição entre os ensinamentos de Cristo e a orientação sexual de cada um.

Os jovens LGBTI de Portugal também condenam "veemente o discurso defendido por Richard Cohen". Gustavo Briz, Presidente da Direcção da associação rede ex aequo faz saber que em todas as actividades desenvolvidas pela associação seja nos grupos locais espalhados pelo país, seja no fórum online ou em sessões de esclarecimento em meio escolar, os jovens da rede ex aequo querem "quebrar com este ciclo de insulto, isolamento e invisibilidade".

1 comentário

Comentar