Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Alemanha: Registadas agressões contra homossexuais e pessoas trans na Passagem de Ano (actualizada)

agressões alemanha.jpg

Após os relatos de agressões sexuais em massa na Passagem de Ano nas cidades alemãs de Colónia, Hamburgo, Estugarda, Munique, Berlim, Bielefeld, Düsseldorf e Frankfurt, começam a surgir também relatos de agressões contra a comunidade LGBT na cidade de Freiburg. 

De acordo com o Focus Online  na cidade alemã de Freiburg aconteceram incidentes contra homossexuais. Entre eles destaca-se o caso de um casal gay que foi atacado à frente de um bar por um grupo, que os pontapeou e agrediu. Também um artista travesti foi verbalmente atacado.

De acordo com o porta-voz da câmara de Freiburg, foi realizada uma manifestação contra a homofobia, na passada sexta-feira.

Depois do choque, as autoridades alemãs querem perceber o que aconteceu, apurar responsabilidades, ajudar as vítimas e determinar a eventual ligação de pessoas que pediram o estatuto de refugiado nestes incidentes.

Só na cidade alemã de Colónia já foram contabilizadas mais de 533 queixas, um número que triplicou em poucos em dias depois de se terem tornado públicos os primeiros números. Há também registos de incidentes nas cidades escandinavas de Helsínquia, Malmo e Oslo. A ideia destes crimes terem sido premeditados a esta escala está a gerar estupefacção generalizada.

 

Actualização (13 de Fevereiro): Não foi um grupo de refugiados sírios que atacou mulheres em Colónia. Informa o jornal Público: O inquérito aos acontecimentos da passagem do ano em Colónia concluiu que os autores das agressões sofridas por mulheres foram sobretudo argelinos e marroquinos a viverem na Alemanha há vários anos e não refugiados acabados de chegar ao país.

 

Alexandre Iourtchenko

21 comentários

Comentar