Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Conchita Wurst convidada pelo Parlamento Europeu (com vídeos)

Conchita no Parlamento.docx.jpg

A vencedora do festival da Eurovisão da Canção 2014 esteve esta quarta-feira no Parlamento Europeu a convite de Ulrike Lunacek, Vice Presidente da instituição e membro do Grupo Os Verdes Europeus, e de quatro outros eurodeputados. 

A cantora foi convidada para falar da sua mensagem de tolerância em Bruxelas, mas a visita foi recebida com um misto de contentamento e de incompreensão.

“Não sou uma política. Sou apenas uma cantora,” disse Wurst numa conferência de imprensa que abordou temas desde a I Guerra Mundial e acabou na Eurovisão. Para a cantora a sua mensagem de tolerância e respeito são entendidos de forma diferente pelas pessoas. Darei tudo para apoiar  aqueles que precisem disso [tolerância e respeito]. Sexo, cor da pele ou origens não podem continuar a fazer a diferença.”

O poder da voz de Conchita Wurst, que é interpretada pelo jovem Thomas Neuwirth de 25 anos, foi ouvido no final da conferência através de uma actuação muito apreciada por fãs e activistas dos Direitos LGBT em Bruxelas.

 

17 mil euros foi o custo da tolerância

"Temos muitas crises no mundo, e claro que o Parlamento toma conta de refugiados e outros assuntos, mas também considero que a mensagem da Conchita é importante,” disse Lunacek, que também vem da Áustria e é assumidamente lésbica há 20 anos. Ulrike Lunacek acrescentou que na UE ainda existem muitos preconceitos em relação às minorias sexuais. O evento custou 17 mil euros e incluiu palco, meios técnicos e humanos e foi pago pelo orçamento dos eurodeputados e dos partidos políticos que convidaram a cantora.

À medida que Wurst (que significa salsicha em língua alemã) desfilava pelos corredores da instituição europeia, muitos foram os parlamentares que sacaram o telemóvel para recordar o momento através de fotografia.

Mas nem tudo foi entusiamo. Beatrix von Storch do partido conservador alemão AFD (Alternative für Deutschland)" criticou acentuadamente a visita da cantora. "Estamos aqui a falar da Sra. Wurst, uma homem vestido com roupas de mulher e que canta. Para mim isto é dar demasiada importância a um assunto quando  enfrentamos outro tipo de problemas.” A política do AFD disse acreditar que a igualdade para os homossexuais já tinha sido alcançada na União Europeia: "Toleramos os homossexuais, já não temos problemas de todo, falamos de bissexuais, transexuais, intersexuais, intrasexuais e por aí em diante.”

O Parlamento Europeu já recebeu muitos visitantes ilustres como Dalai Lama, as Pussy Riot e até Bono. A 25 de Novembro é a vez do Papa Francisco.

 

  

2 comentários

Comentar