Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

"London Spy": Investigação emocional (com trailer)

London Spy 1.jpg

3,5star800.jpg

 

 

 

Ancorado num desempenho brilhante de Ben Wishaw (e numa personagem à altura), "London Spy" é um thriller que joga com regras muito próprias, sem paralelos no pequeno ou no grande ecrã. Além do protagonista, Charlotte Rampling e Jim Broadbent dão pedigree à minissérie da BBC que parte para a espionagem a partir de uma relação homossexual – e está disponível por cá na Netflix.

Crítica de Gonçalo Sá publicada originalmente no seu blog gonn1000.


O formato de minissérie já se tinha mostrado feliz para variações a histórias de espionagem este ano, com "O Gerente da Noite", da AMC. E se aí Tom Hiddleston deixou muitos a reforçar a aposta no maior candidato a próximo James Bond, "London Spy" também começa por surpreender pelo protagonista. Não que Ben Wishaw (à esquerda nas imagns) seja aqui um aparentado de 007 (até porque já tem lugar nessa saga como novo Q), mas porque o actor britânico tem um papel de grande fôlego que algumas produções de maior visibilidade nem sempre lhe permitem, com uma preponderância comparável à de Rami Malek na saga de "Mr. Robot" (e com uma personagem igualmente atirada para uma espiral de paranóia e contrastes recorrentes entre realidade e alucinação).

 

Ao ver a produção da BBC Two estreada no final de 2015, torna-se difícil pensar num nome mais adequado para dar corpo a Danny, jovem londrino cuja rotina alterna entre o dia sem grandes perspectivas num armazém e muitas noites de hedonismo desenfreado, assente em clubes nocturnos e encontros fugazes. É, de resto, na ressaca de uma madrugada de festa que o protagonista conhece Alex (Edward Holcroft, à esquerda nas imagens), cuja postura recatada e vida aparentemente disciplinada não poderia estar mais nos seus antípodas. Mas esta história que rapidamente se torna de amor dá razão a quem defende que os opostos se atraem, embora a atracção também se mostre uma armadilha ao revelar-se fatal, impondo um ambiente de suspense durante toda a minissérie.

 

O argumento de "London Spy" é daqueles sobre os quais revelar pouco já pode equivaler a contar demasiado, sobretudo pela forma como Tom Rob Smith, o criador desta produção de cinco episódios (e autor do elogiado romance de espionagem "A Criança Nº 44"), opta por uma viragem dramática no final do (excelente) primeiro capítulo, até então um retrato cândido de um relacionamento homossexual.

London Spy 2.jpg

Infelizmente para o protagonista, a ligação amorosa que dá mote a esta história não lhe traz só momentos de revelação emocional e de uma maior maturidade na forma como encara a vida a dois. Pelo contrário, inicia um novelo rocambolesco de supostas conspirações de contornos internacionais, para as quais o único aliado fiável parece ser Scottie – um sempre impecável Jim Broadbent. Uma das melhores qualidades da minissérie é, aliás, o modo como dá tempo e espaço à relação de amizade entre o novato e o veterano, que até se vai tornando mais interessante do que o quotidiano conjugal. Por um lado porque Wishaw tem uma química mais forte com Broadbent do que com Edward Holcroft, que encarna Alex, por outro porque o argumento torna Scottie numa das personagens LGBT mais complexas e comoventes em anos – a sequência em que relata o passado como agente secreto numa época em que a a homossexualidade não era aceite tem mais intensidade do que muitas cenas de acção de outros thrillers, deixando um nó na garganta que está longe de ser o único desta saga intimista.

 

Acrescente-se Charlotte Rampling ao elenco e fica claro que este é um thriller mais motivado por figuras de carne e osso do por uma sucessão de tiros e reviravoltas, mesmo que a actriz não tenha uma personagem tão desenvolvida para agarrar – o que não invalida que os seus diálogos com Wishaw sejam um deleite de ironia e sofisticação "very british" enquanto mergulham em fantasmas pessoais.

 

Com um ritmo pausado e meditativo, às vezes invulgarmente silencioso para uma série, e uma narrativa elíptica, longe da estrutura de policial televisivo, "London Spy" é uma aposta arrojada mas também algo frustrante quando o patamar elevado dos primeiros três episódios não tem um desenlace com a mesma força. O último capítulo, em especial, ameaça boa parte do realismo que o argumento, o elenco e a realização (de Jakob Verbruggen, de "The Fall" ou "The Bridge") tinham conseguido manter, apesar das reviravoltas. E em certas sequências a entrega de Ben Wishaw, com uma mistura de inocência, determinação e fragilidade, é mesmo a única âncora emocional de uma história que começa a beliscar demasiado a plausibilidade. É claro que mesmo assim o resultado chega a sobra para se sobrepor a muita concorrência, mas também deixa bem evidente como o óptimo pode ser inimigo do bom.

3,5 estrelas

Gonçalo Sá, jornalista no SAPO e autor do blog gonn1000.

1 comentário

Comentar