Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Em memória de Akbar Zargarzadeh (2001-2015)

dezanove_lorenzoepedro.jpg

Olá Pessoas Sexys,

Hoje precisamos de partilhar o que está dentro de nós. É triste, é real e tem de mudar.

Há uns escassos dias (17 de Julho de 2015) um adolescente gay com 14 anos de idade, Akbar Zargarzadeh, foi enforcado numa árvore num acampamento de Verão para rapazes islâmicos, no Irão. As autoridades informaram que o adolescente era "digno de morte por ser gay".

Ao tomarmos conhecimento do que se passou ficámos muito, mas muito confusos, perturbados e destruídos por dentro. Se tu nos conheces, sabes o quanto amamos a vida, e o quanto valorizamos o facto de podermos respirar, cheirar, ouvir, ver, saborear e sentir. A vida é mágica, cada vida neste mundo é única e nenhuma é mais importante do que outra.

Ser gay é completamente normal! Dois rapazes ou duas raparigas que se amem é natural e é inclusive algo lindo! O amor é algo que não podemos mudar, é mais do que um sentimento, o amor é uma forma de viver. Muitas pessoas não pensam como nós e nós respeitamos isso, mas na realidade o amor é muito mais do que uma religião, o amor é "maior" do que a vida em si. O amor é tudo! Sem o amor, o mundo poderia estar coberto de máquinas e robots e nós não estaríamos aqui a fazer nada.

Amar verdadeiramente é o que faz de nós humanos; especiais. O poder do amor é o que faz o nosso mundo ter um significado diferenciador. 

O facto de existirem locais neste mundo, onde um ser humano simplesmente por amar outro, lhe vê ser colocada uma corda à volta do pescoço, e, de seguida, ver que um grupo de pessoas o colocam no topo de uma árvore para o empurrarem, é avassalador. O facto de o fazerem publicamente, com orgulho nas suas acções, e sentirem prazer no pescoço do miúdo a partir ou então de o verem lentamente a sufocar, é razão para dizer um palavrão.

O facto de nestes países estes ideais de morte serem aceites pela esmagadora maioria, só porque um ser humano ama outro e isso dê direito a apedrejamento ou enforcamento, revolta-nos! Destrói-nos a cabeça! É algo de outro mundo!

Escrevemos estas palavras cheios de raiva porque também visualizamos um vídeo destes atos a acontecerem. Não é algo que os nossos olhos estejam treinados a ver. No nosso caso destrói-nos o dia, a semana, o mês e ficamos deprimidos, porquê? Porque não podemos fazer nada contra isto!

Mas existem pessoas que podem. Existem ministros e presidentes de países desenvolvidos que tem conhecimento do que vos estamos a falar, mas continuam a fazer negócios com estes países. Indirectamente eles concordam com o que está a acontecer, porque eles simplesmente ignoram e falam sobre outros assuntos que incluem dinheiro, montes dele.

Todos os países que sabem disto e nós acreditamos que toda a Europa e a América tenham conhecimento e não deveriam realizar negócios ou trocar comunicações sobre nenhum assunto até que esta matança (em nome de um amor que consideram ódio) pare por completo!

Isto é senso comum! Se o dono da mercearia perto da vossa casa matar um amigo ou familiar vosso por ser gay, vocês não vão voltar a comprar lá, vocês não vão voltar a pôr lá os pés e mais importante vocês não vão aceitar que a loja continue aberta ao público! Então por que é que outros Governos continuam a comprar mercearias nestes países?

iran flag.png

Concluindo, não nos entra na cabeça que países ignorem estas execuções e que continuem a comunicar e a realizar transações como países como o Irão. A questão aqui é uma, se um norte-americano homossexual for até ao Irão e for assassinado em praça pública por ser gay, será que os EUA faziam alguma coisa? Claro que sim! E era algo bem grande! 

Mas porque é que será que se essa pessoa não for norte-americana e tiver nascido no Irão, nada muda? Significa isto que somos menos importantes  conforme o país onde nascemos? Somos menos seres humanos conforme a nossa nacionalidade? 

Países desenvolvidos, como o nosso também, gastam muito tempo e muito dinheiro em assuntos muito menos importantes do que este. E isto está literalmente a ser ignorado. Já acontece há demasiados anos e continua a acontecer, ainda hoje.

Akbar Zargarzadeh, com 14 anos não vais viver para sentir muitas coisas novas, não vais viver para cheirar, saborear, tocar e ver o futuro. Não vais poder ser amado nem amar nunca mais! Foste enforcado numa árvore, foste morto por animais loucos, sem compaixão, inteligência ou sentimentos, nada!

Se soubéssemos que isto iria acontecer, poderias viver na nossa casa para sempre. Se tivéssemos o poder de fazer algo, a tua morte não seria em vão e algo iria acontecer.

Irão, Arábia Saudita, Iémen, Sudão, Nigéria e Mauritânia não deveriam poder fazer qualquer tipo de transacção, negócios ou qualquer tipo de comunicação com países desenvolvidos e conscientes da realidade, até que matar pessoas dependendo da sua orientação sexual fosse, definitivamente, parte do passado.

 

Lorenzo e Pedro

 

6 comentários

Comentar