Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Nasce associação vocacionada para acolher gays e lésbicas vítimas de violência

Tal como já existem vários centros de acolhimento destinados a mulheres vítimas de violência doméstica, nasceu um projecto específico para as pessoas LGBT. O site desta nova associação entra em funcionamento esta quinta-feira. E o que é a Casa Qui, esta nova associação que procura a inclusão e o bem-estar da população LGBT?

A fundação da associação remonta a Setembro de 2012 e surgiu por iniciativa de três mulheres especializadas na área da juventude e das questões da orientação sexual e identidade ou expressão de género: Rita Paulos, Andreia Pereira e Cláudia Rita; mas só agora está a ver a luz do dia e, com isso, dar mais apoio a pessoas lésbicas, gays, bissexuais e transgéneras que contactem a Casa Qui.

Com apoio financeiro da ONG EEA GRANTS, os actualmente seis técnicos especializados da Casa Qui já começaram, em Dezembro do ano passado, a analisar o trabalho das instituições envolvidas nas Comissões de Protecção de Crianças e Jovens para, posteriormente cooperarem em acções de sensibilização e melhorar os seus meios e competências.

Depois de conseguir o registo como IPSS (Instituto Particular de Solidariedade Social), o projecto pretende ir mais longe, porque nas palavras de Rita Paulos, uma das fundadoras, “a jornada para construir o que imaginámos ainda é longa e precisamos de toda a gente”.

As queixas que chegam às associações de defesa dos direitos das pessoas LGBT mostram que muitas vezes os agredidos receiam contactar as autoridades receando com isso maior exposição ou incompreensão. Os casos tornam-se mais graves e geradores de isolamento quando os pedidos de ajuda provêm de adolescentes sem autonomia financeira e que ainda dependem das figuras parentais, muitas vezes os próprios autores das coações. A Casa Qui, pretende doravante quebrar este ciclo de forma profissional dando respostas na área da saúde mental através de acompanhamento psicológico especializado e da acção social, intervindo em situações de violência doméstica e efectuando acções de sensibilização ou consultadoria técnica a entidades.

 

Contactos:

www.casa-qui.pt e 96 008 11 11

1 comentário

Comentar