Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

O polémico documentário “Amores Santos” expõe a homossexualidade dentro das religiões (com vídeo)

Amores Santos gay padres religião.jpg

O jornalista brasileiro Dener Giovanini assina um documentário polémico e perturbador. “Amores Santos” coloca a nu o comportamento de diversos arcebispos, bispos, padres e pastores das Igrejas Católica, Evangélica, e Anglicana.

Estes representantes do Clero, responsáveis por discursos de ódio e homofobia contra os homossexuais, foram filmados em cenas de sexo virtual com o actor Darico Macedo. O que é criticado em público é permitido entre quatro paredes e uma câmara.

Ao longo de quase três meses de gravação foram registadas cerca de 500 horas de cenas de sexo com religiosos de diversos países.

O documentário encontra-se na fase final de montagem e deverá estar pronto dentro de três meses. O realizador e produtor justifica a sua divulgação pública a par do Sínodo da Família que se realizou no Vaticano porque “apesar do filme ainda não estar totalmente finalizado, tomei a decisão de falar publicamente sobre ele porque uma das maiores religiões do mundo está definindo agora a forma como conduzirá esse assunto no futuro. Esse não será um filme contra a Igreja Católica ou qualquer outra religião, apenas mostrará que elas estão doentes e precisam de cura”.

Segundo Dener Giovanini também existe uma grande preocupação com a segurança de todos os envolvidos no projecto “Temos consciência do potencial explosivo que temos em mãos. Já fizemos muitas cópias de segurança e inclusive enviamos algumas para fora do Brasil”.

Neste momento os produtores estão a realizar contactos com diversas empresas para estudar a possibilidade de distribuir o documentário em diversos países. “Não sabemos se primeiro iremos participar dos circuitos dos festivais ou se faremos de imediato uma estreia comercial. Tudo é possível, inclusive disponibilizar o filme via VOD (Video On Demand) na internet”.

Uma coisa é certa. Depois de “Amores Santos” nunca mais olharemos para as religiões da mesma forma.

 

 

Carlos Maia

4 comentários

Comentar