Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

“O que nos fez apaixonar não tem explicação. Sente-se todos os dias”

Maria Manuel e Leonor Marcha_2014.jpg

Leonor tem 53 anos. Maria Manuel tem 51. Têm vários gostos em comum, um deles é viajar. Casaram em 2013, na altura o casamento de ambas foi noticiado numa reportagem na tv e num jornal diário. A cerimónia juntou familiares e amigos e que teve um original “cão das alianças”. Conhece agora a sua história de amor:

 

dezanove: Quando e como se conheceram?

Conhecemo-nos no dia 26 de Maio de 2007.

Leonor: a convite de uma amiga comum fui assistir a um jogo de squash, quando cheguei fui apresentada à Maria Manuel no átrio de entrada de um clube desportivo de Lisboa. Descemos para o local dos courts e como não conhecia ninguém e a minha amiga foi jogar comecei a falar com a Maria Manuel que estava em pé à frente de um dos courts com uma placa na mão. Eu falava ininterruptamente e a Maria Manuel olhava para mim estupefacta e não me respondia... a minha amiga veio cá fora e disse 'oh Leonor não incomodes as pessoas' e eu que estava a ser super simpática não percebia nada.

Maria Manuel: Eu não podia dar muita atenção à Leonor porque estava a arbitrar uma partida de squash. Ela como não fazia ideia do que eu estava a fazer ficou com a sensação que eu não queria falar com ela. O que ela não sabia é que lhe tinha tirado uma fotografia. Só muito tempo mais tarde é que soube.

 

Assinalam de alguma forma a data desse aniversário?

Sim, uma vez até convidamos essa nossa amiga para um jantar.

Todos os meses celebramos a data de início de namoro que não é este dia (faz na próxima semana oito anos) e a data do nosso casamento.

 

Maria Manuel e Leonor.jpg

O que vos fez apaixonar?  

O que nos fez apaixonar não tem explicação. Sente-se todos os dias. Ainda hoje nos descobrimos diariamente

 

Como é a vossa relação com familiares e amigos?  

Agimos com naturalidade e a nossa postura permite um bom relacionamento com familiares, amigos e até mesmo colegas de trabalho. Só este tipo de postura nos permitiu que fossem testemunhas do nosso casamento 111 amigos e familiares incluindo as nossas mães e um cão... que foi o “cão das alianças”.

 

Como vêem a vossa relação daqui a um ano?

Consolidada.

 

Já foram alvo de algum episódio de lesbofobia?

Não.

 

Na vossa opinião o que faz falta a Portugal no que respeita à igualdade para pessoas LGBT?  A maternidade ou adopção está nos vossos planos?

Falta muita coisa ainda. O caminho está a ser feito. As “coisas estão a acontecer”, mas sabemos o quão difícil está a ser a aprovação da adopção, da co-adopção e da maternidade medicamente assistida. Destacamos a importância das intervenções na Assembleia da República e de todo o trabalho de fundo que tem vindo a ser feito pela deputada Isabel Moreira.

Há um grande trabalho a ser feito ao nível da sensibilização e educação da sociedade em geral. Realçamos o excelente trabalho que a ILGA Portugal tem feito nesta área ao nível da formação em escolas, técnicos de saúde e das forças de segurança pública.

Maria Manuel e Leonor  Galerias_Romanas_2014.jpg

Concordam com a ideia de que os casais de mulheres lésbicas são mais invisíveis do que os casais de homens gay? Na vossa opinião, porquê?

Sim. A “visibilidade invisível” ao nível de casais de lésbicas tem a ver com o facto da sociedade estar educada para aceitar como normal e natural duas raparigas ou mulheres andarem de braço dado ou abraçarem-se e estranha manifestações de afecto no masculino.

 

Têm algum projecto ou hábito que desenvolvam em conjunto?

Somos ambas voluntárias na ILGA Portugal e responsáveis pelo grupo de interesse Gir@s Caminhadas.

 

O que vão fazer no Dia d@s Namorad@s?

No dia 14 de Fevereiro vamos de uma qualquer forma celebrar nosso amor.

 

Fotos: Maria Manuel e Leonor

Entrevista de Paulo Monteiro