Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

O sexo anal frequente pode provocar incontinência?

A pergunta é interessante e deve ser analisada de diferentes perspectivas. A resposta pode ser sim e não. Senão vejamos:

Sim

Porque o ânus é um músculo e como todos os músculos tem o seu limite máximo. Com isto quero dizer que uma penetração mais bruta num ânus já fragilizado pode provocar, no extremo, a ruptura do músculo. Confesso que nunca recebi nenhum caso assim, mas obviamente pode acontecer.

Porque algumas práticas mal efectuadas ou efectuadas por pessoas menos experientes podem provocar lesões. A introdução de mãos, pés ou objectos quando é feita sem a adequada preparação pode provocar ruptura muscular.

Porque uma prática prolongada de fisting pode provocar relaxamento anal. O corpo humano tem a capacidade de se adaptar e como tal se for frequentemente estimulado adapta-se.

 

Não

Porque sendo um músculo e sendo exercitado ganha capacidade de se adaptar e não perde as suas funções. Se devidamente excitado e relaxado após o acto sexual consegue retomar as suas dimensões e funções normais.

Uma prática sexual saudável, com a devida preparação e auxiliares, não só é fonte de prazer como dificilmente será prejudicial ao corpo.

O ânus tem dois esfíncteres. Destes apenas um é controlado voluntariamente. No entanto, o outro, embora possa parecer um contra-senso, com a devida excitação e preparação dilata permitindo penetração.

 

Por último, ter em atenção que as respostas do corpo humano aos mesmos estímulos são diferentes. Se porventura sentir que algo pode estar errado, como por exemplo perda involuntária de gases ou fezes, deverá consultar o seu médico.

 

Até para a semana, tenham bom sexo e ainda mais cuidado!

Sempre vosso, Enfº Carlos Camisão

1 comentário

Comentar