Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Os 5 alucinantes filmes de John Waters no Queer Lisboa (com vídeos)

Este Sábado marca o início da retrospectiva do realizador John Waters, no âmbito do Queer Lisboa. O ciclo reúne cinco títulos de referência da fase inicial da sua filmografia. Os filmes passam na Cinemateca. No primeiro fim-de-semana de Outubro será a vez de serem apresentados no Porto.

 

"Polyester". É um dos seus vários filmes com Divine como protagonista, dá início a esta restrospectiva hoje pelas 21h30 na Cinemateca Portuguesa. Recuperando a experiência que marcou a sua estreia em 1981, e tal como este ano se viu no  Festival de Cannes, o Queer Lisboa entregará a cada espectador desta sessão os famosos "Odorama", cartões que acompanham o filme, e que permitem aos espectadores sentirem alguns odores menos convencionais ditados pela evolução da narrativa no ecrã. 20 Set. às 21h30 e 26 Set. às 19h.

 


"Desperate Living". A história centra-se em torno da louca dona de casa Peggy Gravel (Mink Stole) e a sua empregada obesa Grizelda (Jean Hill). Depois de assassinar o marido de Peggy num acto de raiva, as duas mulheres procuram refúgio na mítica Mortville, uma cidade cheia de criminosos que fugiram do mundo hétero. Elas começam a viver juntas numa cabana na floresta pertencente a Mole McHenry (Susan Lowe), uma lésbica butch, e a sua glamorosa amante Muffy St. Jacques (interpretada pela lenda do burlesco Liz Renay). Mas Mortville é governada pela cruel e autocentrada Rainha Carlotta (Edith Massey), que tortura e humilha os seus cidadãos. Peggy, sendo louca, eventualmente usurpa a benevolente filha de Carlotta, a princesa Coo-Coo (Mary Vivian Pearce), ajudando a Rainha no seu plano para envenenar a população de Mortville. Uma revolução surge, mas não antes de Mole ganhar a lotaria e fazer um implante peniano. 22 Set. às 21h30 e 23 Set. às 22h.

 

"Female Trouble". O filme conta a depravada história da criminosa obsessiva Dawn Davenport (Divine), desde a sua infância mal comportada como go-go dancer no infame Block em Baltimore, até à sua morte na cadeira eléctrica. Mink Stole interpreta de forma brilhante a irritante filha de Dawn, Taffy, concebida num colchão de uma lixeira com um gordo nojento de cuecas sujas (também interpretado por Divine). Mary Vivian Pearce e David Lochary interpretam dois lunáticos donos de um salão de beleza, convencidos de que o "crime iguala beleza", oferecendo abrigo a Dawn. Edith Massey domina o filme como a vizinha obsessiva de Dawn, Ida, que deseja que o seu sobrinho seja gay (porque os heterossexuais levam "vidas chatas e depravadas"), e atira ácido à cara de Dawn quando ela se casa com ele.23 Set. às 21h30 e 24 Set. às 22h.

 

"Hairspray". Nesta história sobre uma menina gorda, Tracy Turnblad (interpretada por Ricki Lake) não só somos confrontados com um filme sobre o empoderamento de uma figura marginal, mas também com uma sub-trama sobre a segregação no início dos anos 60 e de como os jovens radicais da época lançaram as sementes da mudança. Mas, infelizmente, Hairspray vai ser também lembrado como o último e mais mediático desempenho de Divine para John Waters. Após a sua estreia, Hairspray recebeu críticas elogiosas, e Divine foi anunciado como o grande actor de personagens que foi. 24 Set. às 21h30 e 26 Set. às 15h30

 

"Pink Flamingos". Divine, musa drag e actriz fetiche de John Waters, é a estrela deste clássico do cinema underground americano. Ela e sua excêntrica família desfrutam o prazer de serem as pessoas mais perversas do mundo. Este título gera competição e ciúmes envolvendo um casal não menos estranho, que fará de tudo para tirá-la do seu caminho. Repleto de actos bizarros, como manter em cativeiro jovens raparigas e estuprá-las, para as engravidar e vender as crianças a casais de lésbicas, este filme está cheio de situações constrangedoras e escandalosas, tornando-se um marco na carreira de John Waters, colocando-o em destaque no panteão do cinema independente. A escatológica cena final de Pink Flamingos conferiu-lhe o estatuto de filme de culto, bem como a banda-sonora com canções dos The Centurions, The Trashmen, Patti Page e Little Richard. 25 Set. às 21h30 e 26 Set. às 22h00

Programa e horários do Queer Lisboa aqui

 

Vê aqui as fotos da sessão de abertura do Queer Lisboa 2014