Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Os filmes que não podes perder no IndieLisboa (com vídeos)

O cinema independente regressa mais uma vez a Lisboa. Há 40 e tal anos atrás talvez não fosse possível existir um Festival de Cinema como o IndieLisboa. Há 40 e tal anos atrás não existia, nem era exibido cinema como o que poderemos visionar nesta edição do Indie. É por isso que 40 anos depois coincidentemente o IndieLisboa espalha-se pela antiga Capital do Império disseminando a Liberdade que esteve interdita aos portugueses por 41 anos e que, às vezes, ainda teima em estar vedada.

Como habitual o IndieLisboa tem uma selecção de filmes com conteúdo e temática LGBT. Este ano podemos contar com os sempre amados António da Silva, Bruce LaBruce e Xavier Dolan. Mas há mais para ver nos 11 dias do 11.º IndieLisboa, que decorre de 24 de Abril a 4 de Maio. (Os filmes estão apresentados por ordem alfabética.)


Longas-Metragens:
"Amor, Plástico e Barulho" (2013, Brasil) Renata Pinheiro | Ficção | Competição Internacional | 27 Abril, domingo, 21H30, Culturgest, Grande Auditório; 28 Abril, segunda, 21H30, Campo Pequeno, Sala 1

Filmado no Recife, este filme, a primeira longa-metragem da realizadora brasileira Renata Pinheiro, leva-nos para o mundo da música brega, onde tudo é descartável: o amor, a música, o sucesso. Jaqueline é vocalista da banda "Amor com Veneno", onde actuam outros quatro bailarinos. Shelly é a nova bailarina da banda e sonha tornar-se uma cantora famosa e tomar o lugar da líder da banda, que admira e despreza. A decadência e o alcoolismo de Jaqueline oferecem a Shelly uma oportunidade de cumprir o seu sonho, mas neste mundo em que o sucesso e a fama têm uma duração muito curta, mais do que a fama, é o esquecimento que aproxima estas pessoas.

"Bambi" (2013, França) de Sébastien Lifshitz | Documentário | Pulsar do Mundo | 29 Abril, Terça, 19H15 e 2 Maio, Sexta, 19H15, Campo Pequeno, Sala 3

Sébastien Lifshitz apresenta-nos a extraordinária vida de Bambi, nascida numa pequena aldeia na Argélia, em 1935, no corpo de um rapaz chamado Jean-Pierre Pruvot. Nos anos 50, aproveitando um espectáculo do Cabaret Carrousel de Paris em Argel, emigrou para França, onde adoptou o nome artístico de Bambi e fez parte da vibrante noite dos cabarés da capital francesa. Aos 77 anos, Bambi conta como era a vida de uma transexual naquele tempo, as suas amizades, os escândalos e o surpreendente encontro com o amor da sua vida. Uma história de rejeições e coragem documentada por uma quantidade impressionante de fotografias e filmes de arquivo.

"The Film Ballad of Mamadada" (2013, EUA) de Lily Benson e Cassandra Guan | Documentário Experimental | Cinema Emergente | 26 Abril, Sábado, 15H00 e 4 Maio, Domingo, 16H30, Culturgest, Pequeno Auditório

Este filme é uma homenagem à extraordinária Baronesa Elsa von Freytag-Loringhoven, feminista, dadaísta, poeta e artista, que agitou Berlim e Nova Iorque nas primeiras duas décadas do século XX e cujo propósito era derrubar as barreiras entre a arte e a vida de todos os dias. Num modelo surreal de "cadáver esquisito", o filme conta com a colaboração de mais de 50 artistas a quem foi pedido que interpretassem fragmentos da vida extravagante da baronesa. Sem qualquer vestígio de nostalgia retro, o resultado pode parecer feio e caótico, mas faz decerto justiça à excentricidade desta mulher cheia de vida e à liberdade que sempre defendeu para a criação artística.

"Mimi" (2002, França) de Claire Simon | Documentário | Herói Independente | 2 Maio, Sexta, 21H30, Cinemateca

Mimi Chiola é a romanesca protagonista deste singular filme documental de Claire Simon, que a filma em Nice, com canções italianas em fundo. Mimi é fruto de um encontro entre as duas, registando o gosto de contar histórias de Mimi, que percorre as ruas de Nice com a realizadora: "uma filma e a outra fala".

"My Prairie Home" (2013, Canadá) de Chelsea McMullan | Documentário | IndieMusic | 26 Abril, Sábado, 23H45 e 4 Maio, Domingo, 18H45 S. Jorge, Sala 3

Chelsea McMullan acompanha Rae Spoon numa viagem pela imensidão das pradarias canadianas. Ao longo do caminho, Spoon apresenta, no mesmo tom doce e sussurrado característico das suas composições, o estilo musical que encontrou para exprimir a sua própria ambiguidade e a forma como alcançou o seu espaço num universo transgénero, onde mais do que homem ou mulher, é ela própria: enquanto pessoa, cantora e compositora. Vendo a relutância inicial em aceitar a participação num documentário que pretendia abordar assuntos tão pessoais, McMullan sugeriu que eles (Rae Spoon prefere que se lhe(s) refiram num plural que inclua os dois géneros) escrevessem primeiro o que haveriam de falar. O resultado foi a publicação, em 2013, do livro "First Spring Grass Fire" que serve de base a "My Prairie Home".

"Naomi Campbel" (2013, Chile) de Nicolas Videla e Camila Donoso | Ficção | Cinema Emergente | Ficção | 25 Abril, Sexta, 17H; 26, Abril, Sábado, 23H55 e 1 Quinta, 17H, Campo Pequeno, Sala 3

Yermén é uma mulher transexual que trabalha como cartomante e tem como passatempo filmar os vizinhos e os cães abandonados que circulam pelo bairro a partir do seu apartamento, nos arredores de Santiago. As pessoas não sabem ao certo se ela é uma mulher ou um homem e suspeitam que seja bruxa. O sonho de Yermén é mudar de sexo e para isso inscreve-se num concurso de televisão cujo prémio é uma cirurgia plástica à sua escolha. É então que conhece uma estranha imigrante empenhada em ficar igual à NaomiCampbell (com duplo L, a original).

"Orlando Ferito" (2013, França) de Vincent Dieutre | Documentário | Pulsar do Mundo | 26 Abril, Sábado, 16H45 e 28, Segunda, 18H50, Campo Pequeno, Sala 3

Já em 1975, Pasolini tinha anunciado o "Desaparecimento dos Pirilampos" e do triunfo iminente do Castelo de Mentiras. Quarenta anos depois, o realizador francês Vincent Dieutre viaja até à Sicília pela primeira vez à procura de uma nova esperança política. Este documentário apresenta locais, palavras e corpos que circulam em torno da procura dos pirilampos sobreviventes. Aqui, a Sicília não é apresentada como um lugar remoto mas mergulhada na mais contemporânea complexidade: do aparecimento da Internet na nova paisagem do amor à imigração ilegal nas turísticas costas a sul. Uma Sicília que pode servir de metáfora para o que é hoje a Europa.

"Pinta" (2013, Brasil) de Jorge Alencar | Ficção | Cinema Emergente | 25 Abril, Sexta, 19H e 28 Segunda, 19H, Campo Pequeno, Sala 1

"Pinta" constrói-se com imagens delirantes de estranhas performances que divertem e ao mesmo tempo incitam e questionam. Trata-se pois de uma comédia fina e debochada que se descreve a si própria como "erótica pornochanchesca" com "delírios musicais e uma intimidade caseira." Neste filme, razão e lógica são colocadas à prova o tempo todo, mas ainda assim o que sobressai desses quadros recheados de "dublagens, dublês, remixes, covers estéticos..." é justamente o esforço de construção de um universo coerente, vivo, e principalmente contínuo. Jorge Alencar junta neste filme todas as áreas com que trabalha – performance, audiovisual, dança e teatro – e mostra, com um resultado surpreendente, que não há limites para as experiências com cinema.

"Tom à la Ferme" (2013, Canadá) de Xavier Dolan | Ficção | Sessão de Encerramento | 3 Maio, Sábado, 21H30, Culturgest, Grande Auditório

Xavier Dolan regressa ao IndieLisboa com "Tom à la ferme", a história de um homem, Tom (interpretada por Dolan), que vai até ao campo para o funeral do companheiro, morto num acidente de automóvel. Ao chegar, dá conta que ninguém o espera ou sequer desconfia daquela relação e da orientação sexual de Guillaume, o amante morto, e que por isso o acolhem tão bem. Mas se a simpatia da mãe advém da sua ignorância, que faz de Tom apenas um amigo, o irmão de Guillaume, machista e homofóbico, começa a questionar a sua presença, tornando-se uma ameaça e criando uma tensão que a banda sonora de Gabriel Yared acentua de forma brilhante.

Curtas-Metragens:

"As Rosas Brancas" (2013, Portugal/EUA) de Diogo Costa Amarante | Ficção | Competição Nacional Curtas 1 | 26, Sábado, 18H, Culturgest, Grande Auditório | Competição Internacional Curtas 7 | 30 Abril, Quarta, 21H45 e 2 Maio, Sexta, 16H30, Culturgest, Pequeno Auditório

"As Rosas Brancas" é um conto sobre a memória, o luto e a alteração dos papéis na família; na sequência da morte da mãe, os irmãos e o pai juntam-se em torno de uma campa na neve e tentam superar o vazio que a mãe deixou.

"Boa Noite Cinderela" (2014, Portugal) de Carlos Conceição | Ficção | Competição Nacional Curtas 2 | 27 Abril, Domingo, 18H, Culturgest, Grande Auditório | Cinema Emergente Curtas 4 | 30 Abril, Quarta, 19H e 2 Maio, Sexta, 21H45, Culturgest, Pequeno Auditório

"Boa Noite Cinderela" recupera o conto da Gata Borralheira numa versão mais carnal, mais materialista, menos romântica, onde é imprecisa a fronteira que separa o desejo de ter e de ser a dona do sapato.
"Daddies" (2014, Portugal) António da Silva | Documentário | Competição Nacional Curtas 3 | 28 Abril, Segunda, 19H, Culturgest, Grande Auditório | Cinema Emergente Curtas 5 | 1 Maio, Quinta, 21H30 e 3 Maio Sábado, 14H30 S. Jorge, Sala 3

"Daddies" entrevista dez homens gay que enquanto se despem falam da sua identidade daddy um termo utilizado para designar homens mais velhos), das suas relações, do poliamor, do seu pénis e dos desejos sexuais; é o regresso de António da Silva ao IndieLisboa, depois de no ano passado ter vencido a competição nacional com "Gingers".

"Der Unfertige" (2013, Alemanha) de Jan Soldat | Documentário | Competição Internacional Curtas 5 | 28 Abril, Segunda, 21H45 e 30 Abril, Quarta, 16H30, Culturgest, Pequeno Auditório

"Der Unfertige" traça o retrato de Klaus Johannes Wolf que escolheu viver como escravo: acorrentado à cama fala da sua decisão, da família, do significado da nudez e da dedicação com que serve os outros.

"Irmãs" (2014, Portugal) de Pedro Lucas | Ficção| Novíssimos Curtas 1 | 30 Abril, Quarta, 19H, S. Jorge, Sala Manoel de Oliveira

"Irmãs" é uma ficção construída a partir de imagens de proveniências diversas que acompanham um texto que conta como uma mãe, obcecada com a beleza delicada dos filhos, decide criá-los como raparigas e como eles crescem resignados com o facto, ao mesmo tempo que inventam uma vida fora desses corpos.

"Jessy" (2013, Brasil) Paula Lice, Rodrigo Luna e Ronei Jorge | Documentário | Pulsar do Mundo | 29 Abril, Terça, 19H15 e 2 Maio, Sexta, 19H15, Campo Pequeno, Sala 3

Jessy é um pequeno documentário que acompanha o nascimento de Jessica Cristopherry, uma personagem glamorosa que Paula Lice, actriz e dramaturga brasileira, inventou na infância. Já adulta, Paula vai finalmente poder dar vida a um sonho de menina e ser essa mulher fabulosa. Para isso, conta com a ajuda de quem mais percebe do que é ser feminina: um grupo de travestis que vão fazer dela uma verdadeira Drag Queen. Este filme, é uma verdadeira homenagem ao universo drag de Salvador da Baía.

"Mondial 2010" (2014) de Roy Dib | IndieMovingImage | Galeria Graça Brandão

O IndieMovingImage é um espaço de investigação sobre o futuro da imagem em movimento, tendo como direcção central a análise da relação entre cinema e arte contemporânea. Depois da edição experimental do ano passado, lançada no interior das celebrações do décimo aniversário do IndieLisboa, o IndieMovingImage torna-se, agora, uma seção paralela e permanente do festival.

"Mondial 2010" é um filme sobre amor e determinação geográfica. Um casal gay libanês decide fazer uma viagem a Ramallah de carro. O filme resulta da gravação e comentários do casal sobre a viagem.

"Pierrot Lunaire" (2013, Alemanha/Canadá) de Bruce LaBruce | Ficção | Observatório | 29 Abril, Terça, 19H e 2 Maio, Sexta, 23H45, S. Jorge, Sala Manoel de Oliveira

Em 1912, Arnold Schönberg compôs "Pierrot Lunaire" a partir da colecção de poemas com o mesmo nome, escritos pelo belga Albert Giraud; em 2011, o maestro Premil Petrovic convidou Bruce LaBruce para dirigir uma versão teatral de "Pierrot Lunaire" baseada na noção de cabaret do compositor austríaco; em 2013, Bruce LaBruce leva "Pierrot Lunaire" para as ruas de Berlim e, ao som da interpretação que Petrovic faz da música de Schönberg, filma uma história de desejo, amor e transgressão, em que uma mulher vestida de homem seduz uma jovem rapariga que não imagina que o amante é na verdade uma amante.

 

Luís Veríssimo