Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Publicidade

Os jovens da rede ex aequo vão acampar este Verão. Várias razões para ires também

acampamento rede ex aequo lgbti espinho verão.jpg

O 15º acampamento de Verão da rede ex aequo está a chegar e este ano ruma a Espinho. De 19 a a 27 de Agosto a associação de jovens LGBTI promove actividades de educação não formal num cenário natural  e alojamento no Parque de Campismo de Espinho.

 

Pedimos testemunhos a ex-participantes para percebermos melhor esta actividade que conta já com década e meia. Falamos com Pedro, Tavares e Isaac: 

Pedro, engenheiro informático de Coimbra, tem 30 anos e comenta que esta “é uma semana completa de actividades que nos tira do mundo quotidiano, um micro-clima onde tudo acontece e gira à volta do nosso grupo de pessoas que nos preenche e nos coloca num mundo idílico, onde a diferença é elevada e a nossa individualidade celebrada como se fossemos impermeáveis à crítica e perdêssemos o receio de sermos simplesmente nós própri@s. Aquele é o mundo perfeito!” Pedro já esteve em três edições e afirma que repete a experiência pois esta é uma “semana brutal”. Recordando agora os receios que teve antes da sua primeira participação o engenheiro aponta a questão da comida e de como preencher os tempos mortos: “ Pensava previamente que poderia ser um marasmo em certas ocasiões. Que eu era recatado e seria difícil dar-me com as outras pessoas. Pelo contrário, não existem tempos mortos nos acampamentos da rea, tenho amizades que duram desde o primeiro acampamento, há sempre actividades, há sempre interacção com as pessoas e o tempo voa, a comida é a nossa menor preocupação, havendo sempre a partilha e tudo se faz de algum jeito”.

“Ali sabemos que ninguém nos vai apontar o dedo por saberem que nós gostamos de alguém do mesmo género, ou nos identificamos com algo que não o suposto pela sociedade. Aquela bolha protege-nos e ao mesmo tempo liberta-nos. Guardo os sorrisos que vi, as cartas e bilhetes que recebi durante o acampamento e acima de tudo, a alegria de sempre que vejo alguém de lá, sentir que temos algo de especial só por termos vivido a mesma experiência”, continua.

Já Tavares agora com 18 anos e a caminho da faculdade confessa ao dezanove.pt: “A primeira vez que fui ao acampamento foi o ano passado, tinha 17 anos. Adorei a experiência. Confesso que na altura hesitei um pouco em ir. Passar uma semana a acampar com pessoas que não conhecia parecia-me uma ideia meio assustadora. Mas a pouco e pouco fui-me convencendo, e a perspetiva de estar uma semana com pessoas novas deixou de parecer assustadora mas antes empolgante. Quando lá cheguei, rapidamente me integrei. Os jogos de apresentação e os quebra gelo ajudam muito nisso. Depressa percebi que apesar de sermos todos pessoas LGBTI, tínhamos "backgrounds" diversos, o que tornava as nossas conversas mais interessantes.”

Por que razão deve um jovem LGBTI ir ao acampamento de Verão LGBTI da rede ex aequo?” perguntamos. Tavares sintetiza. “Não ir ao acampamento é sinónimo de uma oportunidade que nos escapa. É um estado de felicidade perdura mesmo depois do acampamento”.

“No acampamento cria-se um clima especial, um clima acolhedor e divertido. Nas actividades debatemos temas LGBTI abertamente e essa abertura trouxe-me uma paz de espírito inacreditável. De repente aqueles temas já não eram tabus e isso fez-me sentir bem. Ouvir as histórias de coming out de pessoas de diferentes pontos do país também nos faz refletir. Percebi o privilégio que tenho em morar numa grande cidade e percebi que não há uma única maneira de se ser LGBTI. Todos temos narrativas diferentes para contar. Acho que essa partilha é o que torna este acampamento único”.

Já Isaac, de 21 anos, relembra um bloco informativo com a temática trans: “Os convidados que moderaram o debate eram jovens trans. No ínicio do debate tinha dúvidas, confusões e nenhuma certeza. No fim do debate senti que descobri uma parte de mim que estava reprimida. Certamente que se eu não tivesse tido a oportunidade de conviver assim abertamente com outros jovens iguais a mim se calhar hoje em dia ainda estava em negação. E é Isac que resume assim 'uma semana muito bem aproveitada’: "Diversão, Informação e Inclusão".

O formulário de inscrição é dirigido a jovens entre os 16 e os 30 anos - a faixa etária alvo desta associação juvenil - e pode ser acedido aqui: https://www.rea.pt/acampamento/ E até dia 12 há desconto na taxa de inscrição, informa a organização.