Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Parlamento aprova voto de pesar pelas vítimas de Orlando

parlamento.jpg

Esta manhã, na Assembleia da República foi aprovado por unanimidade o Voto de Condenação e Pesar n.º 100/XIII pelo atentado de Orlando, Estados Unidos da América, ocorrido a 12 de Junho.

Todos os partidos com assento parlamentar estiveram a favor deste voto de condenação e pesar. No texto pode ler-se que "o ataque foi motivado pelo ódio homofóbico e reivindicado pelo Daesh, embora estejam ainda por explicar as verdadeiras razões". As deputadas e os deputados acreditam que "haverá certamente uma reflexão interna, a fazer nos Estados Unidos, sobre as condições em que é exercido o direito ao porte de arma".
Pode ainda ler-se no texto que "no passado Domingo, assistimos mais uma vez a um ataque às liberdades e ao direito à diferença que caracterizam as sociedades plurais e abertas, respeitadoras dos Direitos Humanos. Esse é o nosso chão comum de valores, e por isso mais uma vez expressamos o nosso mais sentido pesar às famílias das vítimas e a nossa mais profunda condenação por este acto bárbaro contra uma comunidade em específico: as pessoas Lésbicas, Gay, Bissexuais e Transgénero. Mais uma vez, as vezes que for preciso. Não deixaremos que a sucessão destes casos os faça cair no esquecimento. A repetição de atentados deste tipo não pode significar a indiferença da banalização nem a cedência às respostas intolerantes. A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, manifesta a mais veemente condenação pelo ataque perpetrado contra cidadãos inocentes, expressando o seu pesar às famílias das vítimas, bem como às autoridades e ao povo norte-americanos".
De seguida foi feito um minuto de silêncio por este voto de condenação e pesar. Na galeria destinada aos convidados estava a assistir ao plenário o embaixador dos Estados Unidos em Portugal.